sábado, 29 de março de 2014

Possíveis resposta à indagação: “Resistir ao islamismo? Como? Você quer fazer uma guerra contra 1,3 bilhões de muçulmanos?”



Quando você está falando com as pessoas, você quer que eles aceitem o simples fato de que os ensinamentos islâmicos ortodoxos são muito diretos, e que eles chamam pela intolerância e violência contra os não-muçulmanos, e um esforço incessante para tornar o mundo subserviente à lei islâmica (Sharia).

 Algumas das pessoas com as quais você conversar, irão colocar todas as objeções que elas possam pensar, porque elas não querem aceitar essa premissa.

 Se eles articulam o seu medo, soaria algo como isto: "Pelo amor de Deus, isso não pode ser verdade, porque isso significaria que teríamos de ir à guerra com 1,3 bilhões de muçulmanos, e nós não podemos fazer isso!" Algumas pessoas realmente vão dizer isso em voz alta.

 Como muitas objeções que recebemos, esta é uma grande oportunidade para inserir um pouco mais de informação para um cérebro que é provável quase inteiramente vazio de quaisquer fatos sobre o Islã.

Aqui estão algumas possíveis respostas que você pode dar :

 1. Felizmente, não temos de ir à guerra com todos eles. A maioria das pessoas que são agora muçulmanas nunca escolheram isso. Seus ancestrais foram quase todos forçados a se tornarem muçulmanos. Os paises dos ancestrais dos muçulmanos de hoje foram conquistados e lei Sharia foi imposta. Sharia coloca pressão sobre todos para serem muçulmanos, e só não apenas no nome. É contra a lei Sharia pular as cinco orações por dia, ou pular o jejum durante o Ramadã ou deixar de pagar a zakat (esmola à mesquita). Em outras palavras, a prática do Islã ortodoxo é imposta por lei, de modo que depois de algumas gerações, seria difícil pensar fora de ser um muçulmano, especialmente quando a pena por ter deixado a fé é a morte.

 Mas o que isto significa é que muitos deles escolhem viver suas vidas sem o domínio constante da Sharia se tivessem a opção. Assim, mesmo que se tratasse de guerra, não teríamos de ir à guerra com 1,3 bilhões.

 2. Mas seria uma guerra para fazer o que? Quero dizer, por que você acha que uma guerra seria necessária?

 3. Nós não precisamos ir para uma guerra, quando a única coisa que  se precisa fazer seria mudar algumas das nossas próprias leis e algumas de nossas próprias políticas externas. E às vezes nós nem sequer temos de mudá-las, nós só precisamos começar a aplicá-las. Por exemplo, é ilegal tentar derrubar o governo ou até mesmo planejar fazer isso. Isto se chama de sedição. Já é contra a lei. Mas veja o que acontece nos países ocidentais, onde as mesquitas são usadas para a pregação da necessidade da implementação da lei de Alá naquele país. No Brasil, muçulmanos se articulam para montar um partido político islâmico cuja plataforma é a implementação da lei islâmica. E, nos EUA, em três quartos das mesquitas americanas, a jihad está sendo pregada. Jihad significa " a luta para trazer todos na terra sob a lei de Alá. " Em outras palavras, pregar a jihad é sedição.

(leia sobre o que é Jihad aqui e aqui).

 E jihad é um elemento essencial do Islã. É um princípio básico do seu núcleo. Isso não é um princípio secundário que ninguém se preocupa. Este é um objetivo central do Islã.

 Se queremos que os muçulmanos ortodoxos em nosso país parem de trabalhar para minar e derrubar o governo, vamos ter que fazer uma distinção entre os aspectos políticos do Islã e os aspectos religiosos do Islã, e nós vamos ter que impedir as pessoas de cometerem sedição. Nós não precisamos ir à guerra. Nós só precisamos educar um número suficiente não-muçulmanos para evitar que políticos ignorantes dos objetivos políticos do Islã sejam eleitos para ocuparem cargos públicos. A única coisa que precisa acontecer é a educação.

 4. O problema não é com os muçulmanos, por isso não temos que ir para a guerra com eles. O problema não nem é mesmo com a doutrina islâmica. O nosso problema é a ignorância abjeta da maioria dos não-muçulmanos. Devido a essa ignorância, o Ocidente está abrindo mão de suas liberdades. Deixe-me ilustrar o princípio com vítimas de sociopatas. Nos comentários sobre um artigo sobre sociopatas, a maioria dos comentadores são vítimas de sociopatas, e eles contam suas histórias sobre o que aconteceu com eles - eles foram enganados e perderam suas economias de vida, ou se casaram com alguém que abusou de seus filhos, ou um dos seus pais deliberadamente os enlouquece, etc. Mas duas das pessoas que comentaram são os próprios sociopatas, e seus comentários iluminam um princípio importante.

 O ponto de vista da maioria das vítimas, as vítimas não entendem como sociopatas pode ser tão maus ou cruéis ou sem coração. O ponto de vista dos sociopatas, é que eles não entendem como as pessoas normais pode ser tão ingênuas a ponto de confiar em todos, tão tolos para não se protegerem de alguém que já provou ser perigoso, ou tão estúpidos para abrirem mão da escritura de sua casa !

 Mesmo acontece com os não-muçulmanos lidando com Islã ortodoxo. Ok, então, é o dever de um muçulmano de se esforçar para o objetivo político de estabelecer a lei Sharia em todo o mundo. Isso é o que eles fazem e os "verdadeiros crentes " nunca vão parar de tentar isso. Mas não temos que permitir isso! Eles só estão fazendo progressos em direção a sua meta, porque nós deixamos que isso aconteça.  Nós confiamos neles. Fazemos acordos com eles. Nós permitimos que eles imigrem. Nós fazemos suposições sobre eles (que eles devem ser como nós, sua religião deve ser semelhante a outras religiões que conhecemos, etc.). Eles não estão roubando as nossas liberdades. Nós é que estamos concedendo nossas liberdades. Estamos abrindo mão de nossa própria auto-preservação. Estamos voluntariamente cedendo a nossa capacidade de nos defender.

 O problema não é com eles, é com a gente. Nós não precisamos de ir à guerra. Precisamos parar de ser estúpidos, e isso só pode acontecer a partir do momento que as pessoas saibam alguns fatos básicos sobre a doutrina islâmica.

 A maioria das pessoas que comentaram no site sociopata (referido acima) disseram que ficaram surpresas ao descobrir que havia mesmo esta coisa chamada de sociopata. O fenômeno do "sociopata diário " não é muito bem conhecido. As pessoas sabem sobre psicopatas assassinos em série, mas a maioria das pessoas não sabe que existe tal coisa como pessoas andando em vidas comuns que não têm empatia pelos outros e não podem desenvolvê-lo, as pessoas cujo único objetivo na vida é vencer e dominar, pessoas que não sentem piedade ou remorso e que não têm nenhum conflito emocional quando eles são cruéis.

 Algumas das pessoas que narraram os seus contos tristes se casaram com um sociopata por anos sem nunca perceberem que essa pessoa poderia existir, então eles estavam totalmente frustrados, angustiados, e confusos com o comportamento do seu cônjuge, e, claro, em sua ignorância eles cometeram um erro estúpido após o outro, se auto-destrutindo.

 O mundo livre está agindo do mesmo modo fretne a  agressãoimplacável do Islã ortodoxo - fazendo um erro estúpido após o outro e se auto-destrutindo. Esta estupidez precisa parar. A única coisa que falta é gente suficiente que tenha um mínimode familiaridade com os ensinamentos islâmicos básicos.

 Ok, essas são quatro respostas possíveis frente à objeção : "Mas nós não podemos ir à guerra com 1,3 bilhão de muçulmanos!"

 Eu agradeceria (assim como os futuros leitores), se você pudesse sugerir algumas respostas melhores do que estas, e publicá-las nos comentários abaixo deste artigo. Podemos unir nossos recursos, compartilhar a nossa inteligência, e ajudar uns aos outros fazer a única coisa que deve ser feito: Educar nossos companheiros não-muçulmanos.


Texto adaptado do livro Getting Through: How to Talk to Non-Muslims About the Disturbing Nature of Islam, escrito por Citizen Warrior




sexta-feira, 28 de março de 2014

Filósofo brasileiro fala sobre a perseguição aos cristãos a nível global


"A perseguição aos cristãos no mundo está chegando a níveis alarmantes. Existem dois tipos de perseguição. No mundo islâmico e comunista existe a perseguição física e matança direta (mata, prende, expulsa). No Ocidente existe o cerco legislativo, cada vez mais engenhoso, cada vez mais astucioso."

O filósofo Olavo de Carvalho, em trechos de seu programa chamado True Outspeak, discute o crescimento da "cristofobia." Ele discute a perseguição aos cristãos no sentido cultural e legal  (no Ocidente) e no sentido físico e criminal (mundo islâmico), ressaltando a sua complementaridade, e que a perseguição cultural precede a perseguição física.

Compilação de dois vídeos do programa True Outspeak.

Links importantes: http://www.olavodecarvalho.org/index.html
e https://www.facebook.com/olavo.decarvalho.


domingo, 23 de março de 2014

Resposta à pergunta: O Paráclito mencionado no Novo Testamento é Maomé?


Eu procuro me ater ao islamismo como a ideologia política poderosa que é. A religião islâmica é apenas uma forma de enjaular os seus adeptos de modo a se tornarem propagadores da ideologia, prontos para mentir e para matar por ela. Mas, considerando que eles tentam "converter" pessoas para se juntar à sua causa política, e que dentro deste grupo encontram-se os cristãos (que são um número considerável no Brasil) eu resolví abrir uma série com recursos para ajudar os cristãos a rebaterem o discurso distorcido dos muçulmanos. Acredite: eles são treinados para isso nas mesquitas e madrassas. 
Um dos truque que os maometanos utilizam para se mostrar superiores, neste caso sobre a civilização ocidental, a qual eles consideram cristã, é afirmar que Maomé foi predito na Bíblia. Um dos argumentos preferidos é dizer que Maomé era o Paráclito anunciado por Jesus, quando na verdade, o Paráclito é o Espírito Santo. O artigo abaixo explica muito bem que esta afirmação dos muçulmanos e dos apologistas islâmicos é totalmente sem fundamento. Bom ter perto para quando algum maometano de plantão implicar sobre isso.
Leia o texto. E se prepare para o embate! Lembre-se que muito mais do que defender uma religião (neste caso, o cristianismo) você vai estar defendendo a liberdade frente à submissão ... ou seja, defendendo a sua civilização. 
PS. este texto abaixo não é meu. Ele me foi repassado por LM. Se alguém souber a fonte, por favor me avise para que eu possa dar o crédito devido.

(para ler a série toda clique aqui)

Será mesmo que Maomé é o Paráclito predito nas Sagradas escrituras Bíblicas?

Quem foi predito: O Espirito Santo ou Maomé? 

Muitos muçulmanos usam os seguintes versículos: EVANGELHO DE JOÃO 14.16; 15.26; 16.7

Eles crêem que o Senhor Jesus, O Cristo, fala do Profeta Maomé nos versículos que mencionados acima.

Os muçulmanos afirmam que os versículos referentes ao Consolador vindouro (Parácletos no original grego) são, na verdade, alusões à vinda de Maomé. A razão para tal afirmação, segundo eles, está contida no Alcorão, o qual diz que seria enviado um apóstolo depois de Jesus, cujo nome seria Ahmad (Alcorão 61.6). Yusuf Ali faz o seguinte comentário sobre este versículo: "Ahmad ou Muhammad, o Louvado, é quase uma tradução da palavra grega Periclytos. No atual evangelho de João, XVI. 16 XV. 26 e XVI. 7, a palavra Confortador, na versão inglesa, é para a palavra grega Parácletos, que significa Advogado, aquele chamado para ajudar um outro, um amigo, bondoso, mais que Confortador. Nossos doutores (islâmicos) sustentam que Parácletos é uma leitura corrompida de Periclytos, e que no discurso original de Jesus havia uma profecia de nosso santo profeta Ahmad pelo nome." Esse é um dos motivos que leva os muçulmanos a acreditar que todas as nossas Bíblias foram corrompidas e que João realmente usou a palavra Periclytos nesses versículos, ao invés da palavra Parácletos.

Há mais de 24 mil manuscritos do Novo Testamento que datam antes de 350 d.C. Não existe manuscrito algum que contenha essa citação e apareça a palavra periclytos. A palavra registrada todas as vezes é Parácletos. Não há evidência textual que possa apoiar a alegação de que o texto tenha sido corrompido. A posição muçulmana encontra ainda maiores dificuldades quando lemos cuidadosamente estes versículos para vermos o que Jesus estava dizendo. Poderíamos dizer muitas coisas a respeito de cada versículo.

----------------------------Vamos Examinar cada versículo.---------------------------------

"E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre" (Jo 14.16). Jesus disse que o Pai vos dará outro Consolador.

A quem o Senhor Jesus estava se dirigindo nesses versículos?

Aos árabes ou, mais especificamente, aos ismaelitas? É claro que não. Ele está falando aos crentes, neste caso aos Apóstolos. Por conseguinte, o Consolador deveria ser enviado inicialmente a eles, não podendo lógicamente referir-se a Maomé. Além do mais, este versículo afirma que o Parácletos, o Consolador, estaria convosco para sempre.

Como pode, então, referir-se a Maomé? O profeta muçulmano morreu e foi enterrado há mais de 1.300 anos! Ele não está "convosco para sempre."

O evangelho de João diz: "o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós" (Jo 14.17). Aqui, o Espírito da verdade é um outro título ou sinônimo de Parácleto. Vemos, a partir deste versículo, que o Parácleto estaria em vós.

"O mundo não pode receber porque não o vê, nem o conhece; mas vós conheceis, porque habita convosco..."

  1. O profeta Maomé foi visto pelos seus seguidores ...
  2. O Apóstolos conheciam o Espirito da verdade porque habitava com eles...Maomé nunca conheceu os Apóstolos (de Jesus) e nem conviveu com eles ...
Como os muçulmanos tem coragem de afirmar que o Paracletos é o Profeta Maome?

A declaração do Senhor Jesus no Evangelho de João 14.26 desmonta completamente a hipótese islâmica de que Maomé era verdadeiramente aquele profetizado nos versículos, pois eles se referem ao Consolador ou Parácleto:

"Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito."(João 14.26)

O Senhor Jesus disse que o Consolador é o Espírito Santo. Esta é a razão pela qual todos os apologistas muçulmanos não citam esse versículo . Esta claro até o Senhor Jesus diz quem é o Consolador, neste caso, o Espirito Santo.

O Consolador foi dado aos discípulos de Jesus. Maomé não foi seu discípulo. Jesus disse que os seus discípulos conheciam o Consolador:" ...v ós o conheceis" (Jo 14.17) Eles não conheciam Maomé, que nasceu no século sexto depois de Cristo. Jesus disse que o Consolador seria enviado em nome de Jesus. Nenhum muçulmano crê que Maomé tenha sido enviado em nome de Jesus. Jesus disse que o Consolador não falaria de si mesmo (Jo 16.31). Em contrapartida, Maomé constantemente testifica de si mesmo que ele e o Profeta de Ala. A Bíblia diz claramente que o Consolador iria glorificar ao Senhor Jesus (Jo 16.14). Eu ainda não vi no Alcorão o Profeta Maomé Glorificar ao Senhor Jesus, pois se ele Glorificou o meu Mestre desculpe por ter escrito que ele não o Glorificou...

O Senhor Jesus em Atos 1:4-5 ordenou a seus discípulos: ... que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias. (neste caso esta a falar do Consolador)

Estes versículos poderiam honestamente ser aplicados a Maomé, que surgiu 570 anos depois, em Meca, na Arabia? À luz do texto bíblico, a interpretação islâmica é impossível. O cumprimento das palavras do Senhor Jesus ocorreu dez dias depois, no dia de Pentecostes (Atos 2.1-4) e não seis séculos depois, a centenas de milhas de Jerusalém.

Conclusão: Podemos ver que o Profeta dos Muçulmanos não se encaixa nas escrituras Bíblicas, que eles tanto defendem dizendo que e alusão da vindo do Maomé ou Muhammad.

Podemos ver que o Senhor Jesus falava do Espirito Santo que tinha prometido aos seus discípulos, e vemos que ele cumpriu com a Promessa em Atos 2:1-4...

Obrigado pela Atenção, Deus vos Abençõe...

"Não há diferença entre judeus e gentios, pois o mesmo Senhor é Senhor de todos e abençoa ricamente todos os que o invocam, porque "todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo".
Romanos 10:12-13

E este é o testemunho: Deus nos deu a vida eterna, e essa vida está em seu Filho. Quem tem o Filho, tem a vida; quem não tem o Filho de Deus, não tem a vida. Escrevi estas coisas a vocês que creem no nome do Filho de Deus, para que saibam que têm a vida eterna. 1 João 5:11-13


sábado, 22 de março de 2014

Jesus nunca foi muçulmano


Eu procuro me ater ao islamismo como a ideologia política poderosa que é. A religião islâmica é apenas uma forma de enjaular os seus adeptos de modo a se tornarem propagadores da ideologia, prontos para mentir e para matar por ela. Mas, considerando que eles tentam "converter" pessoas para se juntar à sua causa política, e que dentro deste grupo encontram-se os cristãos (que são um número considerável no Brasil) eu resolví abrir uma série com recursos para ajudar os cristãos a rebaterem o discurso distorcido dos muçulmanos. Acredite: eles são treinados para isso nas mesquitas e madrassas.
Um dos truque que os maometanos utilizam para se mostrar superiores, neste caso sobre a civilização ocidental, a qual eles consideram cristã, é afirmar que Jesus era muçulmano. O artigo abaixo apresenta 20 motivos que desmentem isso. Bom ter perto para quando algum maometano de plantão implicar sobre isso.
Leia o texto. E se prepare para o embate! Lembre-se que muito mais do que defender uma religião (neste caso, o cristianismo) você vai estar defendendo a liberdade frente à submissão ... ou seja, defendendo a sua civilização. 
(para ler a série toda clique aqui)

Jesus nunca foi muçulmano!

artigo original do blog Rafik Responde ao Islam

Cada seita que aparece neste mundo tenta "converter" Jesus para a sua seita ... 
Por exemplo, os Mórmons transformaram Jesus em um extraterrestre e Maomé transformou Jesus em um Muçulmano.
Jesus nunca foi um muçulmano pelas seguintes razões: 
1. Jesus nunca recitou a "shahada" e nem sequer ela existia. A "SHAHADA" só foi formulada 600 anos depois da morte de Jesus. 
2. Jesus nunca orou para Alá, mas ele sempre se referia a Deus como seu "PAI". No Islão é blasfêmia chamar Alá de Pai.  
3. Jesus nunca se prostrou na direção de MECA. O próprio Maomé costumava se prostrar na direção de Jerusalém ate inventar a sua própria seita e quebrar os laços com o Judaismo. Jesus era um Judeu nascido em uma cidade judaica chamada Belém. Ele regularmente ia ao templo de Jerusalém adorar ao PAI e viveu grande parte da sua vida fazendo visitas regulares a Jerusalém ate a sua morte. 
4. Jesus nunca mencionou que existia um templo chamado CAABA. A Caaba era mais um entre os milhares de templos pagãos existentes no mundo.  
5. Jesus nunca orou repetindo as mesmas palavras e se prostrando nas mesmas posições. Aliás, Jesus condenou este tipo de oração repetitiva e em público (Mateus 6:7) 
6. Jesus nunca participou de um jejum chamado RAMADÃ. O Ramadã era e continua sendo uma celebração pagã que Maomé copiou e adotou para sua nova religião. 
7. Jesus nunca ensinou ou praticou um vergonhoso princípio chamado JIHAD. Jesus ensinou que devemos amar aos nossos inimigos e o ódio é um produto de Satanas que veio para roubar, a matar, e a destruir. Jesus veio para dar vida.  
8. Jesus nunca odiou os seus inimigos e nunca comandou aos seus seguidores a matá-los, conquistá-los e humilhá-los. Maomé ensinou tudo isso. 
9. Jesus nunca participou de um apedrejamento. Ele defendeu uma mulher que estava sendo acusada de adultério e tratou do pecado dela com amor e perdão. Maomé comandava e participava de apedrejamentos. 
10.  Jesus nunca fez uma peregrinação, HAJJ a Meca. Ele sempre ensinou que Deus nao mora em templos feitos por homens, mas reconhecia somente o templo em Jerusalém como o símbolo da adoração do Deus verdadeiro. A Hajj era somente um outro ritual pagão que Maomé adotou para a sua nova religião. 
11. Jesus nunca orou em uma só posição. Ele orava "OLHANDO para os céus" (Mat 6:41), enquanto que Maomé ensinou que quem ora olhando para os céus, Alá ira tirar arrancar os seus olhos. 
12. Jesus nunca condenou o vinho e ele bebeu vinho e ainda usou o vinho como uma ilustração do seu sangue que seria derramado para perdão dos pecados de toda a humanidade. A Biblia condena o abuso do vinho e não o seu uso. Alá e Maomé condenaram o vinho gradualmente. Inicialmente os muçulmanos eram permitidos a beber mas as restrições aumentaram ate a proibição completa. Porém, Alá ira liberar o vinho no Paraíso novamente. 
13. Jesus nunca ensinou aos seus discípulos a orarem em publico. Jesus orava privadamente e condenava aqueles que oravam para serem vistos pelos homens. Maomé ensinou o oposto de Jesus e ensinou aos seus seguidores a orarem em publico e atrapalharem o transito de uma cidade. 
14. Jesus nunca ensinou que a pessoa deveria lavar as maos e os pés para ser aceito por Deus na adoração. Jesus enfatizou que a pureza vem de dentro e não no lavar as maos e os pés. Maomé ensinou que Alá não aceita a oração do muçulmano se ele não se lavar ou se esfregar com areia (na falta da água).  
15. Jesus nunca ensinou que ao dizer o nome de algum profeta ou de um anjo seus seguidores deveriam dizer "sallallahu alayhi wasalam" (Literalmente: As orações de Alá sejam sobre ele e paz). OU seja, Maomé é tao exaltado que ate Alá ora por Maomé. 
16. Jesus nunca ensinou que existia tal coisa chamada AB-ROGAÇÃO das escrituras. Jesus usou e leu as Escrituras e tinha um alto respeito por elas (Mateus 21:42). Maomé pelo contrario era ignorante, não lia e nem escrevia e ainda ensinou que Alá as vezes mudava de ideia e trocava as suas próprias revelações (quando ele se confundia em algum assunto). Somente Alá usou a tal lei da AB-ROGAÇÃO das escrituras e ela somente foi usada no Alcorão. 
17. Jesus nunca disse que as escrituras, a Torah e os Salmos e os Profetas (Antigo Testamento) haviam sido corrompidas e nao podiam ser confiáveis. Jesus reconhecia as Escrituras como o testemunho de Deus no cumprimento das suas promessas. Hoje os muçulmanos dizem que as Escrituras incluindo os Evangelhos foram todos corrompidos (Alá foi incapaz de cuidar delas) mas mesmo assim eles procuram as profecias sobre Maomé em um livro corrompido.
18. Jesus ensinou e instituiu um NOVO PACTO com a humanidade. Este pacto havia sido profetizado por Jeremias (Jer. 31:31-34). Maomé ao contrario lançou a humanidade de volta no VELHO PACTO de olho por olho e dente por dente. 
19. Jesus nunca ensinou que Deus engana os seus seguidores. Jesus disse que ele iria morrer e ressuscitar e assim ele cumpriu a sua promessa. Maomé pelo contrario, já que não sabia ler e nem escrever, teve que se basear nas revelações de um tal anjo (a bíblia diz que são demônios) que lhe ensinava o contráario do que a Biblia afirmava. Jesus de acordo com o Alcorão nunca morreu e nunca foi crucificado. O próprio Alá foi quem enganou toda a humanidade fazendo todo mundo pensar que Jesus havia sido morto na cruz. 
20. Jesus afirmou que iria ressuscitar depois da sua morte e ele ressuscitou. Ele apareceu para mais de 500 pessoas de uma só vez e foi visto por todos os seus discípulos antes da sua ascensão aos céus onde permanece até o dia de hoje (Lucas 24:44-48). Maomé, ao contrario do que a Biblia ensina, disse que Jesus nunca morreu e, consequentemente, nunca ressuscitou, mas não consegue explicar como Jesus (como homem) pode estar no céu vivo até o dia de hoje e ainda voltará para julgar o mundo. 
 Existe ainda alguma razão para se afirmar que Jesus era muçulmano?   
Agora, vou transcrever trechos de uma página do Facebook, intitulada Jesus Nunca Foi Muçulmano:

Boa noite.
Meu primeiro post será a apresentação e o motivo pelo qual eu criei esta página.
Eu não sou cristão pois não creio que Jesus veio anular o judaísmo ou criar uma nova religião. Ele nasceu como um judeu, praticou o judaísmo e morreu como judeu. Eu não sou um judeu ortodoxo, pois eu não nego Jesus como meu messias e creio em sua essência divina. Eu sou uma pessoa que crê em UM único Deus, e aceito Jesus como YHWH em carne.
Porém tenho observado que um grupo de religiosos muçulmanos pertencentes a uma certa religião chamada ISLAMISMO tem tomado a ousadia de dizer que Jesus e os profetas, até mesmo Adão eram muçulmanos por terem se submetido a um único Deus.
Eles só se esquecem de dizer que Jesus fez isso 600 anos antes do profeta FUNDADOR do Islã chamado Mohammad TER NASCIDO.
Oras, como pode Adão, os profetas judeus e Jesus terem nascido e vivido como muçulmanos sendo que todos conheceram o nome de Deus como YHWH (Yahuê) e não ALLAH como Mohammad disse ser o nome verdadeiro, como poderiam ser muçulmanos se receberam instruções da Torah e não do Alcorão?
Esses supostos "muçulmanos do velho testamento bíblico" não adotaram NENHUM COSTUME PAGÃO como dogma religioso no qual era proíbido pelo próprio Deus, enquanto Mohammad copiou os costumes pagãos da tribo dos Coraixitas e dos mecanos como a Peregrinação à Mecca, 5 orações diárias, Jejum do ramadã, e resgatar um templo pagão com uma pedra negra pagã e estabelecê-lo como a CASA DE DEUS?
O Islamismo além de usurpar maldosamente a religião alheia para se justificar, é também uma religião que não promove o amor e justiça ao próximo mas a divisão de povos e quebra de lealdade entre humanos, coisa que o Jesus que eles dizem acreditar tanto ensinou mas deixam passar batido.
Desde o início até agora se repete a mesma história, não muçulmanos em países islâmicos regidos pela lei política e religiosa chamada Sharia, são considerados cidadãos de segunda classe, dhimmis ou kafirs como preferir,tendo de pagar um imposto por não trocar de fé, tendo suas propriedades roubadas e mulheres e filhas perseguidas.
As não muçulmanas são vítimas de estupro e perseguição constantemente na Síria, Egito,Paquistão,Índia. E não me venham dizer que essa e outras violências não são motivadas pela religião pois outros tipos de religiosos a praticam também. SIM! praticam, mas não com AVAL de Deus em seus livros religiosos para fazerem tais bestialidades e considerando alguém que fez as mesmas coisas como um profeta santo de DEUS.Consultem fontes islâmicas ou acompanhem as postagens e verão do que estou falando.
São por essas e outras questões que eu me RECUSO a dizer que Jesus era um muçulmano e pretendo compartilhar com vocês todas as questões apresentadas.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Escravidão e Tratamento Desumano - Exemplos


Escravidão Islâmica: eis aí uma parte da História que tentam nos esconder! 
Uma característica do islão (e dos muçulmanos em geral) é de negar os eventos que nós, não-muçulmanos, consideramos como nefastos e cruéis. Mas, na verdade, entre eles, eles celebram tais eventos.
Documentário (trecho) sobre o Escravo Negreiro Islâmico
Este vídeo é um trecho de um documentário sobre a escravidão praticada por muçulmanos, seguindo o exemplo de Maomé que era um escravocrata. Maomé foi um profeta branco com escravos negros. Os africanos negros precisam saber que eles vêm sendo escravizados em nome de Alá desde que o islão surgiu. Nunca existiu movimento abolicionaista no mundo islâmico, apenas a negação que a escravidão dos negros africanos tenha ocorrido. Esta negação permite que o comércio negreiro continue até os dias de hoje. Os negros ou se convertiam ou eram feitos escravos e eram levados sob grilhões para os mercados, enfrentando longas jornadas à pé, muitas vezes cruzando zonas desérticas. Os negros que resistiam (apenas um quinto daqueles que começavam a jornada) tinham como destino: mulheres eram escravas sexuais; os homens eram castrados. Isso explica a falta de negros no Oriente Médio: os negros não reproduziam.


Documentário (completo) sobre o tráfico de escravos negros pelo islamismo

A maior revolta de escravos da História não aconteceu no Brasil ou nos EUA, mas sim na Mesopotâmia, durante a Idade de Ouro do Islão. Este evento é conhecido como a Revolta de Zanj, e ocorreu no século IX próximo de Baçorá (Basra, atual Iraque). Os escravos oriundos da África Leste, meio-milhão, se revoltaram contra os seus senhores muçulmanos, e por 15 anos resistiram aos ataques dos exércitos do califa islâmico. A revolta acabou sendo obiterada no melhor estilo islâmico, em meio a um banho de sangue de proporções apocalipticas.


Escravidão Islâmica, o Genocídio Velado


Maomé: o profeta branco com escravos negros
https://youtu.be/JDTTcgB7Xus OK


Livros e referências sobre a escravidão islâmica

Reportagem da BBC revela a escravidão sexual promovida pelo grupo jihadista al-Shabab
A reportagem "As escravas sexuais de al-Shabab" descreve o caminho de diversas meninas e mulheres, sequestradas e usadas como escravas sexuais dos jihadistas na Somália (BBC)

A luta abolicionista para libertar os escravos da Mauritânia
A Mauritânia foi o último país do mundo a abolir oficialmente a escravidão, fazendo isso apenas em 1981. No entanto, uma série de ONGs, o Departamento de Estado dos EUA e o Relator Especial da ONU sobre a pobreza extrema e os direitos humanos afirmam que as práticas antigas de escravos permanecem. De acordo com Anti-Slavery International, a maioria dos mauritanos escravizados pertencem ao grupo Haratine, principalmente de pele escura, e pertenciam a mouros brancos de pele mais clara. (CNN)







A conexão islâmica do "Black Lives Matter"
Leia o artigo todo neste link.

As escravas do século XXI ... mais uma contribuição do islão para o mundo
Documentário da TV portuguesa sobre a escravidão sexual islâmica de mulheres cristãs e iázides. O repórter Henrique Cymerman esteve no norte do Iraque com escravas sexuais libertadas recentemente, que apresentam um testemunho do terror (SCI Notícias). Lembre-se que, devido ao seu comportamento, Maomé consolidou a escravidão sexual no islamismo.

Qatar tenta dissimular sobre o escravagismo rampante
A Anistia Internacional disse que os trabalhadores migrantes enfrentam "galopante" e "grave" exploração, incluindo a violência física e sexual, no âmbito do sistema de Qatar, a "KAFALA", que vincula os trabalhadores migrantes ao seu empregador, independentemente do trabalho que implica. Se o trabalhador opta por não fazer o trabalho, ele ou ela é muitas vezes é retido no país sem uma "autorização de saída" que permitiria que ele ou ela pudessem buscar outro trabalho.
Nicholas McGeehan, um pesquisador Qatar da Human Rights Watch, também disse que os trabalhadores frequentemente perdem o passaporte para o seu empregador "imediatamente após a chegada ao país," deixando-os com nenhuma maneira de sair ou ganhar dinheiro no Qatar. (Fonte)

Mauritânia: O país onde é um crime a ser resgatado da escravidão
Essa é a realidade aparente na Mauritânia, o país com maior incidência do mundo de escravidão moderna. Localizado na África Ocidental, na beira do deserto do Saara, estima-se que 4% a 20% das pessoas que lá permanecem são escravizados. Foi o último país do mundo a abolir a prática, em 1981, porém legislação criminalizando-a veio apenas em 2007 [...] Mbeirika Mint M'bareck, uma menina de 15 anos de idade, foi resgatado da escravidão, para ser posteriormente acusada de ter relações sexuais fora do casamento, de acordo com uma carta escrita por ativistas. (Não está claro quem é o pai da criança). Esse crime é potencialmente punível com a morte por apedrejamentoi. Os ativistas planejam enviar a carta ao Ministério da Justiça do país nesta segunda-feira. (CNN)

Mauritânia: dois homens condenados por escravizarem
Este páis pratica a escravidão, apesar de legislação contrária. A última vez que alguém foi condenado pela prática da escravidão foi em 2007. Estima-se que até 600 mil dos 3,5 milhões de pessoas que vivem na Mauritânia são escravos. Muitos são propriedade de tribos nômades que estão frequentemente em movimento. (Frontpage)

Um africano faz considerações sobre o escravismo islâmico infligido aos africanos

Jovens muçulmanos surdos-mudos são mantidos acorrentados no interior de Bengala: Relatório.
Rana Ray de Krishnanagar (04 de dezembro de 2013): É obviamente desumano e absoluta injustiça acorrentar pessoas. Mas, em uma aldeia muçulmana de Sahebdanga perto Shantipur (em Nadia, Bengala Ocidental, Índia) é uma moda islâmica acorrentar jovens surdos-mudos, ou mentalmente incapacitados, como se eles fossem simplesmente incontroláveis ou portadores de algum mal. (islamaroundus

Saudita vende escravo negro africano castrado no Facebook
Escravidão é um prática islâmica, que segue o exemplo de Maomé, que foi um mercador de escravos. Por isso é que é muito diffícil de erradicar esta prática. Agora, ela se moderniza, e até mesmo o Facebook é usado para se vender escravos. No caso em questão, o anúncio diz (Tundra Tabloids): 
1 - pele preta. 172 cm de altura. Peso 60 quilos.
2 - Castrado (excelente para trabalhar com uma família), você pode verificar com um médico você mesmo - temos experiência no assunto.
3 - [Sua] saúde é boa e não tem imperfeições.
4 - Idade 26 anos.
5 - Muçulmano e obediente, e não vai desobedecê-lo exceto no que desagrada Alá. Por favor, o assunto é muito sério e não é uma piada. 




terça-feira, 18 de março de 2014

O aumento alarmante do anti-semitismo nos campus universitários dos EUA



O que se verifica nas universidades dos EUA é espelho do que ocorre na Europa e no Canadá. Um crescente ódio aos judeus e a tentativa de deligitimar o Estado de Israel. No fundo, todo e qualquer ato de ódio contra os judeus fica sendo justificado com a mantra “a culpa é deles.” Ou seja, o que acontece de ruim aos judeus é culpa dos judeus. Nós conhecemos muito bem este discurso. É o mesmo que é aplicado a mulheres estupradas ou a gays que apanham nas ruas: a culpa é deles. Ou seja, a culpa é da vítima.

Em um artigo intitulado The Alarming Rise of Campus Anti-Semitism, escrito em dezembro de 2013, no Frontpage Mag, Joseph Klein relata um estudo sobre tolerância religiosa nos campus universitários, publicado pelo Jewish & Community Research, em dezembro de 2011, intitulado "Sozinho no Campus: Entendendo o Isolamento do Estudante Judeu nas Universidades." Nele, foram entrevistados mais de 1.400 estudantes nos Estados Unidos. O Instituto, que reivindica que esta pesquisa é uma das maiores e mais abrangente de seu tipo, constatou que "mais de 40 % dos estudantes confirmam a existência de anti-semitismo em seu campus. "

Do mesmo modo, a Liga Anti-Difamação (ADL) relatou em sua Auditoria Anual de incidentes anti-semitas, que 2012 mostrou um aumento de incidentes anti-semitas nos campus universitários,  quase o triplo do número de incidentes reportados em 2012 contra 2011. "Alguns desses incidentes incluíram o uso de imagens anti-semita, sob o pretexto de ativismo anti-Israel, com teorias da conspiração sobre o controle político e econômico judaico sendo expressas no campus".

O anti -semitismo nas universidades norte-americanas está a crescer a um ritmo alarmante. Ele escalou a tal ponto que estudantes judeus nos campums universitários têm sido fisicamente atacados ou ameaçados ao demonstrarem pacificamente seu apoio a Israel. Eventos demonizando os judeus e até mesmo glorificando os assassinos de judeus, sob o disfarce de serem retórica anti- Israel, são toleradas pelos administradores do campus, apesar do ambiente hostil que tais eventos criam para os estudantes judeus que tornam visíveis o seu apoio ao Estado Judeu.

"Ampla evidência sugere que, ao longo da última década, os estudantes universitários judeus têm enfrentado crescentes níveis de anti- semitismo nos campus universitários em todo os Estados Unidos", concluiu o relatório do Instituto . "As campanhas de desinvestimento anti-Israel, protestos, passeatas, teatro de guerrilha e alto-falantes inflamatórios têm caracterizado a retórica anti- judaica. Devido a resposta insuficiente dos administradores das universidades, estes eventos resultam em ambientes hostis, onde os alunos judeus, e outros, têm sido caluniados e ameaçados".
  

O artigo relata vários incidentes, muitos deles dentro da chamada Semana do Apartheid Israelense (Israeli Apartheid Week), um evento que existe desde 2004 com o único propósito de demonizar e deligitimizar o Estado de Israel e os judeus. Em um deles, na Universidade de Berkley, membros do Alunos para a Justiça e Paz (SJP) e membros do grupo Associação dos Estudantes Muçulmanos (grupo este afiliado a Irmandade Muçulmana) configuraram postos de controle falsos, incluindo arame farpado e armas de brinquedo, e exigiam os alunos que os cruzessem a anunciarem em voz alta a sua religião, sendo os judeus colocados à parte para serem intimidados.

Um outro incidente, na Universidade da Califórnia, em Davis, um comício em novembro de 2012, intitulado "Marcha de Solidariedade com Gaza" levou a uma ocupação de um prédio onde os manifestantes penduraram, na entrada deste prédio, uma bandeira que dizia "DAVIS + GAZA SOMOS UM PUNHO." Um estudante judeu, e defensor de Israel, que tentou entrar no prédio no início da "ocupação do prédio" (para assistir a uma aula ) foi fisicamente impedido de entrar porque ele era um "sionista".

Existem vários outros incidentes descritos no artigo, abaixo são apresentados três deles.

A Universidade Yeshiva, em Nova York, a ADL relatou, recebeu, em julho de 2012, mensagens de voz ameaçando "executar todas as pessoas, as pessoas judaicas" e "aviso a todos os judeus, o Holocausto nuclear está chegando."

Na Universidade de Columbia, estudantes judeus que participam de cursos em programas sobre Oriente Médio e da sobre línguas e culturas asiática são insultados por seus professores e intimidados a não questionar a doutrinação anti-Israel estridente que esses professores estão promovendo em suas salas de aula.

Apesar das palavras "judeus" e "sionistas" serem usadas ​​como epítetos intercambiáveis​​, alguns expalhadores de ódio tentam se esconder atrás de uma suposta distinção. Judeus são bons, eles dizem, desde que os judeus mantenham seu apoio ao Estado judeu de Israel escondidos."

Como distinguir entre o anti-semitismo moderno e a crítica legítima a Israel? A linha entre a crítica legítima e o anti-semitismo que se manifesta em relação ao Estado judeu de Israel é atravessada, (segundo Natan Sharansky) quando a retórica ou a conduta contém um ou mais dos seguintes componentes "3D" :

1 . Demonização – "Por exemplo, as comparações de israelenses com nazistas e dos campos de refugiados palestinos com Auschwitz ..."

2 . Duplo Padrão – "É anti-semitismo, por exemplo, quando Israel é apontado pela Organização das Nações Unidas pors abusos aos direitos humanos, enquanto que abusadores de verdade como a China, Irã, Cuba e Síria são ignorados."

3 . Deslegitimação – "Embora as críticas de uma política israelense podem não ser anti- semitas, a negação do direito de Israel de existir é sempre anti- semita. Se outros povos têm o direito de viver em segurança em sua terra natal, então o povo judeu tem o direito de viver em segurança em sua terra natal."

O 3D, juntamente com a intimidação física, compõem a mistura tóxica que confronta os estudantes judeus em muitos campus universitários norte-americanos de hoje.

A inanição do governo dos EUA.

O Título VI da Lei dos Direitos Civis dos EUA, de 1964, proíbe várias formas de discriminação em programas financiados pelo governo federal, incluindo-se aí as instituições de ensino superior. Porém, o Departamento de Educação do governo Obama até agora se recusou a aplicá-la contra as universidades e faculdades financiados pelo governo federal q ue permitiram que o assédio anti-semita aos estudantes judeus continuem com relativa impunidade.

O mesmo governo que condena até mesmo o menor sinal de chamada islamofobia tem tratado o discurso do ódio e ameaças contra estudantes judeus, que criam um ambiente hostil para eles, como o exercício legítimo da liberdade de expressão. Este duplo padrão só está incentivando mais ódio e ameaças dirigidas a estudantes judeus.

Finalmente, quando o presidente Obama dirigiu-se ao mundo muçulmano em seu discurso no Cairo, em junho de 2009, ele prometeu: "Eu considero parte da minha responsabilidade como Presidente dos Estados Unidos lutar contra os estereótipos negativos do islão onde quer que eles apareçam." Infelizmente, ele não considera como sua responsabilidade lutar contra os estereótipos negativos, e muito menos contra o assédio, de judeus nos campus universitários ou em qualquer outro lugar.


Infelizmente este problema tende a aumentar com o aumento de estudantes oriundos do Oriente Médio, local onde a demonização dos judeus é rampante, tendo sua origem no Alcorão e justificativa nas ações de Maomé, que, em sua vida, exterminou 5 tribos judáicas por terem se recusado a lutar para ele. Demonizar os judeus é um passa-tempo islâmico.


"Mate o povo judeu em qualquer parte do mundo" ... "mate os judeus em qualquer parte" ... 


sábado, 15 de março de 2014

Atualizações no mês de fevereiro de 2014



A frase “a maioria dos muçulmanos são pessoas amantes da paz” não coincide com os fatos
Eu considero que a asserção “a maioria dos muçulmanos são pessoas amantes da paz” é errônea e pode ser facilmente refutada.

Muçulmanos querem a lei islâmica onde eles vivem ... e isso é preocupante
É importante termos em mente que o objetivo de cada muçulmano ortodoxo é o de colaborar com a implantação da lei islâmica (Sharia ou Charia) em todo o mundo, trabalhando para isto com zelo religioso. Este artigo apresenta evidências de que a maioria daqueles que se dizem muçulmanos desejam a implantação da sharia onde moram. E quanto maior o número de muçulmanos residentes em algum lugar, maior é a pressão pela implementação da sharia.Lembre-se também que a aplicação da sharia significa a morte das culturas pré-existentes naquele local. Este fato foi explorado no artigo Islão, o aniquilador de civilizações.

Pesquisa mostra que fundamentalismo islâmico é amplamente difundido na Europa
Pesquisa mostra que quase a metade dos muçulmanos europeus concordam que eles devem voltar às raízes do islão, que só há uma interpretação do Alcorão, e que as regras nele estabelecidas são mais importante do que as leis seculares.

Os resultados desta pesquisa devem fazer-nos pensar duas vezes antes de caracterizar as suspeitas sobre as crenças dos muçulmanos ocidentais como “islamofobia.”

Tanto a extensão do fundamentalismo religioso islâmico e seus correlatos – a homofobia, o anti-semitismo e a “Ocidentofobia” – devem ser motivo de graves de preocupações.

Lembre-se que o objetivo final do fundamentalismo islâmico é a implementação da lei islâmica (sharia) em todo o mundo

APOSTASIA - EXEMPLOS

Menina estrangulada por não aceitar a Sharia
O grupo militante islâmico “Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS )" estrangulou uma menina na Síria. O crime dela foi ter se recusado a adotar a interpretação da lei islâmica (sharia) que o ISIS segue. No islão é assim, tem sempre um grupo mais ortodoxo tentando impor a sua versão de islão sobre os outros (muçulmanos e não-muçulmanos). Quando um muçulmano se recusa, como no caso desta menina, ele é considerado um ex-muçulmano, e punição para deixar o islão é a morte. O ato que o vídeo mostra é de uma crueldade sem fim. É triste ver isso acontecendo nos dias de hoje. Mas é esta a realidade ... que esta se espalhando pelo mundo ... inclusive no Brasil. 




BESTIALIDADE

"Um homem pode ter relações sexuais com os animais, como as ovelhas, as vacas, os camelos e outros. No entanto, após alcançar o orgasmo deve degolar o animal". (Khomeini, Tahrirolvashyeleh 4º volume, Darol Orm, Gom, Iran, 1990)

Bestialidade
Nigéria: Muçulmano estupra uma cabra e diz para a polícia que a cabra deu-lhe permissão 
Malam Kamisu Baranda foi entregue à polícia pelo chefe de sua aldeia fora Dutse e foi detido preventivamente.  Ele disse ter feito sexo com a cabra dez vezes, porque ela 'satisfazia a sua exigência. Ele está convencido de que ele deve ser liberado porque ele pediu a sua permissão antes. (Metro)




Marroquino (muçulmano) estupra e sodomiza seu filho de 7 anos e sua filha de 11 anos.
Um doente mental, que tem Maomé como exemplo de conduta sexual (Emirates)

Arábia Saudita:
Um professor egípcio na Arábia Saudita está enfrentando acusações de estuprar uma criança sudanesa de 11 anos de idade, dentro de uma sala de aula (Emirates).


Dizem que o véu islâmico protege as mulheres 
... veja o vídeo e tire suas conclusões



Turquia: Dois imames muçulmanos presos por estuprarem sua própria irmã 

Depois de ter sido estuprada por cada dois irmãos mais velhos e ficar grávida, eles forçaram-na a fazer um aborto para esconder seu crime. Os dois clérigos são imãs na Direcção dos Assuntos Religiosos (Sharia Unveiled; Aydinlik Daily)



Paquistão: Casal apedrejado até a morte por adultério depois de um clérigo muçulmano emitiu uma fatwa contra eles. Soldado também apedrejado

Os dois foram mortos por suspeita de ter relações ilícitas (Dawn). Ainda no Paquistão, um soldado foi apedrejado até a morte por um suposto caso de amor. Cerca de 40 a 50 pessoas atingiram o homem com pedras até que ele sangrou até a morte. Centenas são mortos em todo o país a cada ano em nome da defesa da “honra da família”, mas apedrejamentos são mais raros. (Dawn). Blog FB

Muçulmano abusa sexualmente de Cristã de 2 anos porque o pai se recusou a converter ao islão
Em relação à menina violada; devido aos ferimentos, ela quase morreu e mesmo depois de 5 cirurgias, ela não consegue urinar normalmente. Ele nunca vai ser mãe, e os pais têm que viver escondidos devido aos receios duma retaliação por tornarem público este incidente. http://youtu.be/wkzf5U7enOM 

Adolescente apedrejada até a morte por amar o menino errado
Fato ocorrido em 2007. Du'a Khalil Aswad, uma Curda Yezidi, se apaixonou por um rapaz sunita. Ela foi apedrejada em "defesa da honra". Lei islâmica em ação. http://youtu.be/9hwntjKmCcs



Menina é apedrejada até a morte na Síria por ter conta no Facebook 
http://r7.com/gw56. Mais um exemplo da lei islâmica em açã

O ódio dos muçulmanos contra o Dia dos Namorados (Valentine's Day)
O Dia dos Namorados é anti-islâmico. Como todo regime ditatorial, o islamismo mata o amor individual. 




Mulheres refugiadas atiradas ao mar
Eu não sei se vocês já repararam, mas todos estes barcos com refugiados muçulmanos que chegam na Europa estão cheios de homens! Onde estão as mulheres? Simples, deixadas na terra deles. Ou então, como neste caso, atiradas ao mar. O fato é que devidos as mulheres são consideradas como secundárias na lei islâmica e tratadas como tal na prática, um propriedade do homem. Umas atiradas ao mar, mas a maioria deixada no lugar de origem, se virando sozinhas, enquanto que os seus maridos partem na busca de novas esposas, européias, ou, à busca de infiéis para serem estupradas. (Perigo Islâmico)

Mais um problema para o véu e todo aquele roupão arrastando no chão que as muçulmanas ortodoxas usam
Mulher morre em escada-rolante em um Shopping em Montreal, Canadá, após véu ficar preso (Toronto Sun)


Devoção a Jihad pela causa de Alá
Muhammad al-Arifi é um dos clérigos mais populares da Arábia Saudita, com mais de um milhão de seguidores no Twitter e 855 mil no Facebook. Ainda em 2010 – vários anos após a campanha dos sauditas para conter o que eles chamaram Ideologias "desviantes" - Arifi emitiu uma fatwa endossando a violência contra não-muçulmanos. "A devoção a jihad pela causa de Alá, e o desejo de derramar sangue, para esmagar crânios, e para cortar membros por causa de Alá e em defesa de sua religião, é, sem dúvida, uma honra para o crente (muçulmano)", disse ele, em um clipe no YouTube. "Alá disse que se um homem luta contra os infiéis, os infiéis não serão capazes de se prepararem para a luta." Arifi é membro do jurídico estabelecimento Wahhabi (JPost).


Nigéria - Quatro jovens foram condenados por sexo gay e chicoteados publicamente como punição na quinta-feira em um tribunal islâmico no norte da Nigéria, disse um ativista de direitos humanos. Os quatro estavam entre dezenas de capturados em uma onda de prisões depois da Nigéria reforçou as suas sanções penais para a homossexualidade com a nova Lei de Proibição do Same Sex Marriage em janeiro. O norte da Nigéria é governado pela Sharia (CTV News).

Arábia Saudita
Três prisioneiros, incluindo o imã (clérigo muçulmano) da prisão, estupraram um outro preso em uma prisão central na Arábia Saudita, depois de tê-lo drogado (Emirates).

Jovens muçulmanos surdos-mudos são mantidos acorrentados no interior de Bengala: Relatório.
Rana Ray de Krishnanagar (04 de dezembro de 2013): É obviamente desumano e absoluta injustiça acorrentar pessoas. Mas, em uma aldeia muçulmana de Sahebdanga perto Shantipur (em Nadia, Bengala Ocidental, Índia) é uma moda islâmica acorrentar jovens surdos-mudos, ou mentalmente incapacitados, como se eles fossem simplesmente incontroláveis ou portadores de algum mal. (islamaroundus

A Revolta de Zanj - A Revolta dos Pretos - O islamismo e a escravidão 

Saudita vende escravo negro africano castrado no Facebook
Escravidão é um prática islâmica, que segue o exemplo de Maomé, que foi um mercador de escravos. Por isso é que é muito diffícil de erradicar esta prática. Agora, ela se moderniza, e até mesmo o Facebook é usado para se vender escravos. No caso em questão, o anúncio diz (Tundra Tabloids): 
1 - pele preta. 172 cm de altura. Peso 60 quilos.
2 - Castrado (excelente para trabalhar com uma família), você pode verificar com um médico você mesmo - temos experiência no assunto.
3 - [Sua] saúde é boa e não tem imperfeições.
4 - Idade 26 anos.
5 - Muçulmano e obediente, e não vai desobedecê-lo exceto no que desagrada Alá. Por favor, o assunto é muito sério e não é uma piada. 




EUA: Grupo negro pede a muçulmanos pelo fim do racismo
Grupos negros de Detroit iniciaram uma campanha pedindo aos muçulmanos americanos a se absterem de utilizar as palavras árabes "abed" e "abeed", citando que elas, ao serem traduzidas do árabe, tornam-se insultos raciais contra os negros. A palavra 'abed', e sua forma plural 'abeed’, significa um "escravo" ou "servo" na língua árabe" (Detroit Free Press). Estas palavras também significam “negro”, por causa do tráfico de comércio escravo islâmico.

Muçulmano em Toronto tentar decapitar homem em um café depois de matá-lo sem motivo
Depois de matar um bombeiro sem motivo, Nabil Huruy, de 23 anos, tentou decepar a sua cabeça, no melhor estilo dos "guerreiros sagrados". Isto se chama Síndrome da Jihad Súbita, um evento cada vez mais comum no Ocidente. O bombeiro, Dominic Parker, deixou mulher e duas filhas. (The Muslim Issue)

Brava cristã alemã contra o Islamismo
Uma pequena mulher, sozinha, contra a corrente que está destruindo a Alemanha e a Europa. Muitos se calam, por medo, por estarem muito ocupados, por estarem entretidos com os confortos da tecnologia ... uns poucos se levantam. Não pense que isso não pode acontecer no Brasil. Quando isso acontecer, o que você vai fazer? http://www.youtube.com/watch?v=neJ8exLX7d4




Terrorismo islâmico na China: a questão da “minoria” uigur, e a traíção da (auto-proclamada) esquerda brasileira



Nigéria: Grupo muçulmano mata 43 crianças em idade escolar, as crianças foram queimadas vivas, os jihadistas balearam e cortaram as gargantas das crianças que tentavam escapar pelas janelas
Militantes do Boko Haram queimaram crianças vivas. Professor diz que eles bloquearam as saídas do albergue, tacaram fogo, e atiraram e cortaram as gargantas das crianças que tentavam escapar pelas janelas. Outros relatos sugerem que os atacantes atiraram explosivos, pulverizando quartos com tiros, e usados facões para cortar os alunos até a morte. Ataque traz número de mortos dos ataques do Boko Haram para mais de 300 neste mês (Mail).

Nigéria: Muçulmanos queimam cristãos até que eles se tornen cinzas
58 jovens cristãos foram atacados e massacrados por muçulmanos na Nigéria, e inúmeros deles foram literalmente reduzidos a cinzas (Charisma News).

Grupo militante islâmico na Síria ordens cristãos a pagar imposto Jizya para a sua proteção
O grupo militante islâmico “Estado Islâmico do Iraque e al-Sham (ISIS )” exigiu cristãos que vivem no nordeste da Síria a pagarem um imposto em troca de proteção , uma vez que eles buscam construir um tradicional "Califado" nas áreas que ele controla.

"Os cristãos são obrigados a pagar o imposto Jizya, em cada adulto do sexo masculino, no valor de quatro dinares de ouro para os ricos, metade para os cidadãos de renda média, e metade para os pobres", disse o decreto. "Eles podem pagar em duas prestações ." Quatro dinares equivaleria a pouco mais de meia onça de ouro , no valor de £ 435 a preços correntes.

Em troca , os cristãos não serão prejudicados e terão permissão para adorar privadamente , manter seu próprio clero sem interferência, e manter seus próprios cemitérios. Eles são implicitamente autorizados a continuar a beber bebida alcoólica e comer carne de porco, desde que escondidos e sem poderem negociá-las com os muçulmanos . Também não podem construir ou reformar igrejas, ou exibirem a cruz. Os cristãos que vivem sobe este regime são chamados de “dhimi” (cidadãos de segunda classe) dentro da lei islâmica. 

Os cristãos eram 10% da população de 22 milhões de habitantes da Síria, mas a guerra civil forçou cerca de 500 mil a deixarem suas casas e aldeias, que estão espalhados por todo o país. Cerca de 1.200 foram mortos. (Telegraph)

Doze freiras cristãs sequestrados na Síria. 
Em um vídeo, as freiras foram filmadas sentadas em uma sala e sendo questionadas por um homem invisível, provavelmente um dos sequestradores. Elas respondem que elas estão sendo bem tratados, e que elas estão muito ansiosas para serem devolvidas ao seu convento. É claro que elas vão dizer isso para agradar a seus captores. Mas alguma coisa, embora pequena, diz muito sobre a natureza do seu cativeiro: elas não estão usando nenhuma cruz no peito (como freiras fazem). De acordo com o rigoroso ensinamento islâmico, os cristãos e outros não-muçulmanos são proibidos de mostrarem quaisquer sinais ou expressões de seu "politeísmo" (shirk, em árabe). Na verdade, este fato é explicitado claramente nas Condições de Omar, que a doutrina muçulmana tradicional atribui ao segundo califa, de mesmo nome. (Raymond Ibrahim)


Massacre em povoado cristão na Nigéria
O grupo da religião da paz Boko Haram continua fazendo o seu louvar a Alá na Nigéria matando não-muçulmanos (kafirs) (O Globo). 


Existe uma campanha de boicote a Israel, promovida pelos palestinos e seus apoiadores, que na verdade é parte da tentativa de tornar o Estado de Israel iligítimo. Ao invés de olherem para Israel como um modelo de sociedade moderna, eles querem é destruir Israel para poder implantar mais um país islâmico, governado pela Sharia. A verdade é que esta campanha não passa de anti-semitismo e ódio aos judeus. 

No passado, os anti-semitas boicotavam o comércio dos judeus, e hoje, eles promovem o boicote do Estado judeu, e, a propósito, apenas do Estado judeu. É importante que os promotores do boicote sejam expostos por aquilo que eles são, anti-semitas clássicos vestindo uma roupa moderna. 


O velho anti-semitismo e ódio aos judeus está renascendo na Europa, alimentado com a imigração muçulmana. Os judeus estão migrando em masssa da França, que é o epicentro do anti-judaismo. É a história se repetindo, lamentávelmente.






Bangladesh: muçulmanos atacam templo hindú e deixam uma ameaça de bomba a menos que eles os budistas se 'convertam ao islão' 
Religião da paz e da tolerância (Daily Star). (os hindus e budistas estão sendo gradativamento expulsos de Bangladeh, uma região de onde eles são nativos) 

Indonésia: Muçulmanos Ahmadia torturado até a morte
O islão é contra tudo o que não for muçulmano (ateísmo, agnosticismo, budismo, cristianismo, etc ...) e a perseguição é feroz onde o islamismo for maioria. Na Indonésia, os Ahmadia (que são uma vertente do islamismo, porém considerados como apóstatas pela vertende principal do islão) estão sendo perseguidos barbaramente. http://youtu.be/_dExfGGcz7s 






Amputação
Na lei islâmica. música, arte, beleza, são proibidos, mas matar, torturar, violar, mutilar, são o pão nosso de cada dia. Hoje na Síria, amputação de mão a um "pecador", transmitida por tecnologia "infiel" para todo o mundo: a primeira amputação via twitter. (Sarcasmo: Mas é claro isso não tem nada a ver com o islão. O fato de ser prescrito no alcorão e consolidado na lei islâmica é apenas uma coincidência) (Washington Post). 




Recursos para Cristãos
Maomé foi profetizado em Isaías 21:7?

Maomé foi profetizado em Deuteronômio 33:2?

Maomé foi profetizado em Deuteronômio 18:18?