quinta-feira, 24 de maio de 2018

Estamos em um ponto crucial da História: islã e "progressistas" contra nós


Artigo de William Kilpatrick


Eu ouso dizer que a maioria das pessoas que leram a história gostariam de imaginar que, se estivessem presentes em algum ponto crucial da história, teriam escolhido o lado certo - com os Aliados e contra o Eixo, com Wilberforce e contra os traficantes de escravos, com os romanos e contra os cartagineses que sacrificavam crianças.

Se eu tivesse vivido naquela época, diríamos a nós mesmos, eu teria lutado com o lado certo, não importando as probabilidades pequenas de sucesso.

Bem, agora é sua chance. Porque parece muito como se nós estivéssemos em um desses momentos cruciais - possivelmente em um das maiores "pontos de virada" da história, e provavelmente um dos mais perigosos. Nós tendemos a pensar que os pontos de virada históricos geralmente envolvem um avanço para um plano mais alto - uma virada para algo melhor ao invés de uma virada para algo pior. Mas isso nem sempre é o caso. Às vezes, o pêndulo da história retrocede e corta séculos de progresso. O ponto de virada em que estamos agora ameaça nos fazer retroceder a mais de mil anos para alguma das épocas mais sombrias da história. Em breve poderemos estar lutando por coisas que achamos que estavam garantidas em todos os tempos - noções básicas como liberdade de religião, liberdade de expressão e até mesmo liberdade da escravidão.

O ponto de virada a que me refiro é a luta civilizacional entre o Islã e o Ocidente (reconhecendo, é claro, que grande parte da tradição ocidental foi adotada por pessoas que vivem fora dos limites geográficos tradicionais do Ocidente). Em uma visão mais ampla, a luta pode ser mais precisamente descrita como um conflito entre o cristianismo e o islamismo, porque se o Ocidente perder sua alma cristã, também perderá a capacidade e a vontade de defender suas liberdades.

É claro, algumas pessoas negam que exista algum “choque de civilizações”. Todas as religiões e todas as culturas querem a mesma coisa, eles dizem, e elas nos asseguram que o pequeno punhado de causadores de problemas no mundo muçulmano não representa a grande maioria.

Mas, repetidas vezes, pesquisas mostram que pelo menos a maioria dos muçulmanos quer ser governada pela lei islâmica, a sharia - um retrocesso ao sistema legal severo que se desenvolveu na Arábia do século VII. Ao contrário das expectativas “esclarecidas”, verifica-se que muitos muçulmanos em muitos lugares favorecem punições cruéis e incomuns por roubo, adultério, blasfêmia e apostasia (deixar de ser muçulmano).

Isso é o que eles querem para os companheiros muçulmanos que se desviam. Mas se você não for muçulmano, não precisa se desviar para ser punido. A mera existência de judeus, cristãos e outras minorias é considerada uma afronta por muitos muçulmanos. Como resultado, a discriminação contra os 'não muçulmanos' é endêmica no mundo muçulmano. Isso não pode ser atribuído a uma pequena minoria de intolerantes, porque quase todos - incluindo policiais, funcionários do governo, empregadores e vizinhos próximos - esperam que os incrédulos conheçam seu lugar (de inferioridade).

Judeus e cristãos receberam esta a mensagem há muito tempo. É por isso que existem muito poucos deles em locais que costumavam ser seus países de origem - no Oriente Médio, no norte da África e na Turquia. Para aqueles que não saem voluntariamente, a pequena perseguição sistemática e diária às vezes se transforma em violência organizada. Esse foi o caso no genocídio de 1914-1923 contra os cristãos armênios, assírios e gregos que viviam no Império Otomano, no massacre de 1933 de cristãos assírios em Simele, no Iraque, e no Farhud (pogrom) de 1941 contra a população judaica de Bagdá. Em anos mais recentes, testemunhamos o massacre de cristãos e yazidis pelo Estado Islâmico na Síria e no norte do Iraque, os numerosos massacres de cristãos realizados pelo Boko Haram no norte da Nigéria e pelo al-Shabaab na Somália e no Quênia, e os freqüentes ataques a Igrejas cristãs coptas no Egito.

Dizer que estes massacres foram “testemunhados” pode ser uma palavra muito forte. Muitos no Ocidente tomaram ciência dessas atrocidades e depois continuaram a fazer seus negócios como se nada estivesse acontecendo. Mas, para parafrasear Trotsky, “você pode não estar interessado no choque de civilizações, mas o choque de civilizações está interessado em você”. Por muito tempo, as pessoas nos EUA e na Europa conseguiram ignorar as barbaridades na África, no Iraque. e em outro lugar. Mas então o choque da civilização mudou-se para o norte e para a Europa. Quando o "choque" apareceu nas ruas de Paris, nos mercados natalinos da Alemanha e em uma sala de concertos em Manchester, só os cegos intencionais podiam deixar de perceber.

Mas, aparentemente, há muitos deles. Na Europa, nos Estados Unidos e no Canadá, as elites do governo, da mídia, da academia e até da Igreja continuam insistindo em que não há confronto. Isso é verdade em certo sentido. Não existe confronto se apenas um lado estiver lutando. E até agora a resistência contra a jihad - tanto da variedade armada quanto da variedade furtiva - tem sido fraca. As elites nem mesmo contemplam o primeiro passo óbvio - restrições rígidas à imigração muçulmana.

Além disso, eles fazem tudo o que podem para encobrir o confronto. Não é permitido à polícia informar sobre a extensão do crime cometido por um imigrante, a imprensa não irá publicar histórias sobre estes crimes, a menos que sejam excepcionalmente violentos, críticos do Islã ou imigração são levados perante magistrados e cidadãos comuns que façam comentários “islamofóbicos” no Facebook são visitados pela polícia.

A cegueira do Ocidente, auto-imposta, em relação ao que está acontecendo nos obriga a outra observação sobre o ponto de virada histórica que está se desenvolvendo agora. A batalha não é simplesmente uma luta civilizacional entre o Islã e o Ocidente; envolve também uma guerra dentro da própria civilização ocidental. Muitas das nossas instituições ocidentais agora rejeitam a herança ocidental, e muitas delas efetivamente ficaram do lado do Islã.

Em quase todas as questões que envolvem um conflito entre o Islã e os valores ocidentais tradicionais, as escolas, a mídia, os tribunais e muitas igrejas escolhem o Islã. Eles podem não enxergar dessa maneira. Eles podem racionalizar suas ações como nada mais do que uma defesa dos direitos civis dos muçulmanos. Muitos deles provavelmente não estão familiarizados com o conceito de jihad furtiva. Mas eles estão facilitando a jihad da mesma forma. A principal forma de facilitação é a supressão de qualquer notícia ruim sobre o Islã. Assim, em 2012, o Congresso se recusou a investigar a penetração da Irmandade Muçulmana nas agências do governo e no mesmo ano o FBI, no Pentágono e outras agências de segurança dos EUA cederam à pressão muçulmana e expurgaram, de seus materiais de treinamento, qualquer referência a ideologia que embasa o terrorismo islâmico. Mais recentemente, os gigantes da mídia, como Google, Facebook e Twitter, começaram a sufocar as vozes daqueles que falam contra a opressão islâmica.

Poder-se-ia citar numerosos exemplos desse impulso quase suicida para se colocar ao lado de nossos inimigos ideológicos: os juízes que bloqueiam restrições à imigração muçulmana, os bispos que se inscrevem com a enganosa campanha anti-islamofobia, o presente de bilhões de dólares durante a presidência de Obama para o Irã.

Com poucas exceções, como por exemplo os bispos, esses facilitadores da jihad cultural são progressistas seculares. Apesar de seu apelido, no entanto, os progressistas podem ser decididamente regressivos. Eles defendem o aborto em todas as fases da gravidez - uma prática que sugere que a distância entre nós e os cartagineses que sacrificavam crianças não é tão grande quanto podemos pensar. Os progressistas prometem nos puxar para o futuro, mas muitas vezes agem para nos arrastar para o passado. Várias vozes progressistas agora querem restrições severas à liberdade de expressão. Isso vem acontecendo nos campus universitários, onde os códigos de discurso de ódio efetivamente sufocam a liberdade de expressão. O estudante universitário médio hoje não tem mais liberdade de expressão do que uma mulher que servisse na corte de Cleópatra. Os progressistas "iluminados" que administram o Google, o YouTube e o Facebook também não têm muita utilidade para a liberdade de expressão. Os críticos do Islã estão particularmente sujeitos a serem restringidos, suspensos ou banidos por esses monopólios da Internet.

Eis um resumo da situação. Estamos em um dos principais pontos de virada da história. Duas forças, poderosas e regressivas, ameaçam nos arrastar para um passado sombrio. Por um lado, os islamistas querem trazer de volta a subjugação das mulheres, a mutilação genital feminina, a escravidão sexual, as decapitações e a dhimmitude (estado de cidadões de segunda-classe) para os descrentes. Por outro lado, os progressistas que facilitam os islamistas e se dizem detentores da alta tecnologia estão dizimando populações não-muçulmanas ao promover a contracepção e o aborto, ao mesmo tempo controlando o fluxo de informações sobre o Islã usando estratégias de controle da expressão que nenhum monarca absoluto poderia imaginar.

Se você já desejou ter estado em um dos momentos decisivos da história, seu desejo foi realizado. E se você já quis estar do lado do oprimido e do sitiado, esse desejo também foi concedido. As forças da regressão estão em ascendência e a civilização cristã está em retirada.

Agora é hora de escolher. Eu não vou dizer que a escolha é clara. Muito foi feito para confundir as águas - para nos certificarmos de que permanecemos confusos e complacentes. Além disso, poucas coisas são completamente claras quando você é pego no meio dos eventos. Para muitos judeus no início da década de 1940, sua situação só ficou completamente clara quando foram levados para os campos de concentração. Para muitos americanos em 1941, a situação mundial só ficou clara com o ataque a Pearl Harbor. Aqueles que esperam por clareza absoluta freqüentemente acham que esperaram por muito tempo.

Embora os meios de ofuscar a verdade sejam agora muito mais sofisticados do que na década de 1940, ainda temos uma vantagem marcante com respeito aquela época. Temos muito mais perspectiva histórica do que estava disponível para eles. Por exemplo, quando os nazistas estavam construindo sua máquina militar na década de 1930, não havia história de mil anos de agressão nazista para servir como um aviso. O partido nazista tinha pouco mais de uma década e Hitler não chegou ao poder até 1933. Havia algumas desculpas para aqueles que ingenuamente davam aos nazistas o benefício da dúvida.

Nós, por outro lado, temos muito pouca desculpa para ignorar os sinais da época. Para aqueles que estudam história, são sinais muito familiares. Isso é porque o Islã tem uma história de agressão de 1.400 anos. E o plano de batalha tem sido extraordinariamente consistente ao longo do tempo - inclusive incluindo a migração como meio de invasão. A mais recente parcela desse plano de 1.400 anos de conquista do mundo em nome de Alá já começou. Estamos testemunhando uma notável expansão do Islã em todos os cantos do mundo - África, Austrália, Filipinas, China, Rússia, Europa, América do Norte e do Sul.

Só que desta vez as forças do Islã estão sendo ajudadas e encorajadas pelas poderosas forças do progressismo esquerdista. Anteriormente, mencionei algumas das maneiras pelas quais os esquerdistas defendem o Islã. Aqui está uma outra. Um ano atrás, depois de fazer uma palestra na Islândia sobre o tema "a ameaça da jihad", o autor Robert Spencer foi envenenado por um esquerdista, depois teve negado testes e tratamento adequados por um médico da emergência (também um ideólogo esquerdista). Embora mais de um ano tenha se passado, a polícia não tomou nenhuma medida contra o suspeito de envenenamento, e o Comitê de Ética Médica Islandês não tomou nenhuma medida contra o médico que negligenciou o seu serviço.

Forças de esquerda comprometidas e islamistas comprometidos: esta é uma combinação difícil de vencer. Ambos acreditam muito firmemente no que eles acreditam. A menos que os cristãos (e os demais amantes da liberdade) acreditem firmemente que esta combinação de esquerdistas e islamistas devam ser detidos, ambos continuarão a se expandir. Nós estamos em um ponto decisivo na história. Optar por ficar à margem serve apenas para aumentar as chances de que essas forças regressivas triunfem.

Nota do editor: Na foto acima estão soldados otomanos posando em frente a médicos armênios enforcados em Aleppo Square, em 1916.

De William Kilpatrick

William Kilpatrick ensinou por muitos anos no Boston College. Ele é o autor de vários livros sobre questões culturais e religiosas, incluindo Por que Johnny não sabe dizer o que é errado; e o cristianismo, o islamismo e o ateísmo: a luta pela alma do Ocidente e o guia politicamente incorreto da jihad. Seus artigos foram publicados em numerosas publicações, incluindo o Catholic World Report, National Catholic Register, Aleteia, Saint Austin Review, Investor’s Business Daily First Things. Seu trabalho é apoiado em parte pela Fundação Shillman. Para mais informações sobre seu trabalho e escritos, visite o site dele, turningpointproject.com.


sábado, 19 de maio de 2018

Onze brasileiros presos, acusados de montarem célula do Estado Islâmico (ISIS)


Por que eles querem nos fazer mal, se o Brasil não participar de guerra, nem no Oriente Médio e nem em lugar nenhum?

É comum pessoas justificarem o terrorismo islâmico dizendo coisas do tipo ... "eles estão se vingando da guerra nos seus países." ... mas, e o Brasil, cujo governo inclusive vem votando em favor dos palestinos na ONU? Vingarem-se do que?

O que precisa ser lembrado é que a jihad é uma obrigação de todo muçulmano, segue as ordens the Alá no Alcorão, é regulamentada na lei islâmica (Sharia) e advogada por todas as escolas de jurisprudência islâmica!
09:05 : “Quando os meses sagrados tiverem terminado, mate os idólatras onde quer que você os encontre, e os capture e os confine, e fique à espreita deles em cada local de emboscada."
09:29 : "Combata aqueles que não crêem em Alá."
9:123 : "Ó crentes, lute contra os incrédulos que estão perto de vocês; e deixe-os encontrar em você uma dureza; e saiba que Alá está com os tementes."
47:4 : "Quando você se encontrar com os incrédulos, golpeie os seus pescoços."

MPF denuncia 11 brasileiros acusados de promover Estado Islâmico

Otávio Augusto, Correio Braziliense.

postado em 17/05/2018 13:37 / atualizado em 17/05/2018 16:30
Segundo a denúncia, um dos gerenciadores é de Caldas Novas, distante 310 km de Brasília. Duas pessoas estão presas preventivamente
Onze brasileiros foram denunciados pela Procuradoria da República em Goiás (PR-GO) acusados de fazerem parte de uma organização criminosa que promove o grupo terrorista Estado Islâmico no Brasil. Eles são apontados como resposáveis por tentar recrutar pessoas para articular atentados e criar uma célula de promoção das ideias jihadistas (forma de terrorismo religioso) no país. Segundo a denúncia, um dos gerenciadores é morador de Caldas Novas (GO), município situado a 310km de Brasília. Duas pessoas estão presas preventivamente. 
A denúncia se baseia em conversas em que os participantes trocavam materiais extremistas. As investigações começaram em novembro de 2016, após a Guarda Civil Espanhola avisar autoridades brasileiras sobre a existência dos grupos de mensagem com números do Brasil. Na denúncia, alguns deles, em depoimento à polícia, confessaram que faziam contato com simpatizantes do Estado Islâmico que moravam na Turquia, Síria, Líbia e até no Brasil.
Umas das conversas sugere uma ação no Rio de Janeiro inspirada no ataque à Ponte de Londres, em 2017, quando três terroristas do Estado Islâmico atropelaram e esfaquearam pedestres na capital britânica, matando oito pessoas e ferindo 48. Outra hipótese era um ataque durante carnaval de Salvador. 
Os onze são também acusados de corrupção de menores por tentarem aliciar um menor de idade para participar do grupo criminoso.

Leia a notícia toda no Correio Braziliense.

Esta notícia fez manchete ao redor do mundo ...











quinta-feira, 17 de maio de 2018

Mufti Palestino: que comer em público durante o Ramadã deve ser processado judicialmente


Por Itamar Marcus e Nan Jacques Zilberdik
 
Como o Ramadã, o mês muçulmano de jejum, começou nesta semana, o Mufti (autoridade islâmica máxima) da Autoridade Palestina (AP) pediu para "ir atrás" de todos que comem em público e "colocá-los em julgamento":
"O Grande Mufti de Jerusalém e dos Territórios Palestinos e  presidente do Conselho Supremo Fatwa [palestino], Muhammad Hussein, convocou para preservar a santidade do mês do Ramadã (ou seja, mês muçulmano de jejum).
Em um comunicado divulgado ontem, o grão-mufti exigiu que os donos dos restaurantes e cafés os fechassem durante as horas do dia do mês do Ramadã, a fim de preservar a santidade do mês. Ele pediu aos responsáveis ​​que fossem atrás de qualquer um que quebrasse publicamente o jejum e os colocasse em julgamento.” [Diário Oficial da Autoridade Palestina Al-Hayat Al-Jadida, 15 de maio de 2018]
(Fatwa - decreto religioso islâmico com validade legal)

Esta instrução é semelhante aos chamados pela autoridade religiosa mais alta da AP nos anos anteriores. A agência de notícias palestina Media Watch informou em 2017 que o mufti pediu à polícia da AP "para agir contra qualquer um que rompa o jejum em público, em preparação para medidas legais contra eles". Da mesma forma, o Supremo Conselho Fatwa da AP anunciou que "quebrar o jejum do Ramadã em público é um dos maiores pecados". O conselho citou o profeta Muhammad do Islã:
Quem parar de jejuar no Ramadã renunciou ao Islã ... [derramar] seu sangue é permitido." [Diário Oficial do PA Al-Hayat Al-Jadida, 30 de maio de 2017]
Fonte: http://palwatch.org/main.aspx?fi=157&doc_id=25640



quarta-feira, 16 de maio de 2018

Hamas celebra mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém levando palestinos à morte


Em uma ação que pode ser interpretada como "taquia sob a ação de esteróides" (o que é taquia?), o Hamas promoveu uma marcha de palestinos tentando cruzar a fronteira de Gaza com Israel à força. Esta marcha ocorreu no mesmo dia (14 de maio) em que os EUA inauguravam a sua embaixada em Jerusalém, algo que enfureceu os muçulmanos, que afirmam que Jerusalém é muçulmana porque Maomé fez uma escala nesta cidade quando visitou o "paraíso islâmico" montado em um asno alado (um "evento" que não é nem citado no Alcorão - leia mais no artigo Jerusalém, Al Aqsa, e o supremacismo islâmico)

O Hamas começou organizar estas "manifestações pacíficas" na fronteira com Israel (com fogetes, coqueteis molotov, machados, pedradas, e atirando nos israelenses do outro lado) desde a páscoa judáica e terminariam exatamante no dia da inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém. Estas manifestações, chamada de A Grande Marcha do Retorno, é mais um capítulo da Jihad contra Israel. O Hamas está usando de todo o seu arsenal de desinformação (propagada pela grande mídia internacional), crianças e mulheres como "escudos vivos" e usando jihadistas para tentarem destruir o muro de tela e arame farpado que separa Gaza com Israel. As forças de defesa de Israel (IDF) vem respondendo e diversos terroristas foram mortos nos confrontos.

O objetivo do Hamas era de marcar com sangue a mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém. E eles conseguiram: os jihadistas palestinos e seus apoiadores estão se referindo a esta data como a "segunda-feira sangrenta."

Para atingir este objetivo, o Hamas usou de todos os meios para atrair o maio número de pessoas possíveis para a um lugar específico na fronteira, tentando cruzá-la à força e obrigando as orças de defesa de Israel (IDF) de regirem à altura. O Hamas se usou de mesquitas para conclamar os "fiéis" a participarem da "marcha" dizendo que era um local onde o IDF não estaria presente, chegando a dar 100 dólares para os participantes. O Hamas também oferece entre 200  a 500 dólares para quem for ferido durante os tumultos e 3 mil dólares para a família de quem morra nos tumultos.


Um número estimado de 30 mil palestinos foram até o ponto-de-encontro na fronteira, que, claro, estava sendo vigiada pelo IDF. Jihadistas do Hamas tentaram então cruzar a fronteira e foram mortos: um total que varia entre 40 a 60 dependendo das fontes. Contudo, o próprio Hamas admite que a maioria deles eram mesmo membros do Hamas.

Diretor do Hamas, Dr. Salah Al-Bardawil, fala claramente sobre o envolvimento dos terroristas do Hamas nos tumultos que eles provocam

Talvez o mais triste nisso tudo seja a cobertura da imprensa. A mídia brasileira e internacional sobre estes protestos “pacíficos” na faixa de Gaza tem sido incrivelmente tendenciosa e unilateral. É decepcionante que a mídia brasileira esteja divulgando notícias baseadas na propaganda fornecida pelo Hamas: a imprensa está se comportando como porta-voz de um grupo terrorista. Os brasileiros merecem saber a verdade. Os palestinos de Gaza sofrem por causa do Hamas.


Abaixo apresenta-se um resumo dos fatos:

1. O Hamas organizou os protestos, e de pacíficos eles não tem nada
  • O Hamas é um movimento social, político e militante fundado em 1987 como um desdobramento da Irmandade Muçulmana. O objetivo é destruir Israel e substituí-lo por um estado islâmico para os palestinos árabes, e sem judeus. 
  • O Hamas é o partido do governo em Gaza, e é também uma organização terrorista que promove a violência para atingir seu objetivo.
  • O líder do Hamas, Yahya Sinwar, encoraja os palestinos a invadir a fronteira, atacar israelenses e "arrancar seus corações de seus corpos."
  • O Hamas está pagando palestinos para participar dos protestos, além de fornecer pagamentos para as famílias de terroristas feridos e mortos pelo IDF.
2. É bem sabido que o Hamas usa palestinos inocentes, incluindo crianças, como escudos humanos.
3. Os protestos não são espontâneos e estão em andamento desde março de 2018
4. Os protestos não são pacíficos

5. Os manifestantes querem invadir Israel para matar judeus
  • "Estamos animados para atacar e entrar", disse Mohammed Mansoura, de 23 anos. Quando perguntado o que ele faria dentro de Israel, ele disse: "Tudo o que for possível, matar, atirar pedras".
  • Os manifestantes estão voando bandeiras com suásticas para intimidar o povo judeu.
Não há dúvida de que forças de defesa de Israel (IDF) usam de força desproporcional na defesa de suas fronteiras contra esses ataques hostis do Hamas (ou contra qualquer ato que eles considerem como ameaçador). Mas existe muito mais nestes eventos do que está sendo apresentada pela mídia brasileira.

Leitura adicional: Hamas confirma: 50 dos 62 mortos eram terroristas

Leitura adicional: Fumaça e espelhos: seis semanas de violência na fronteira de Gaza


sexta-feira, 11 de maio de 2018

Reino Unido propõe sentença de seis anos de prisão para quem criticar o Islã


O projeto de lei apenas menciona "criticar a religião", mas todos sabem que religião ele se refere. Ninguém vai para a prisão por criticar o cristianismo ou o judaísmo. Este projeto de lei é mais um passo gigante da Grã-Bretanha em direção à Sharia e à sua própria ruína.

10 DE MAIO DE 2018 - ROBERT SPENCER

"Reino Unido propõe sentenças de prisão de seis anos por postagens on-line contra religião ou pessoas transgênero" (Breitbart)

Pessoas que promovam “hostilidade” em relação a uma religião ou aos transgêneros na Internet podem receber sentenças muito mais severas, de até seis anos de prisão, especialmente se tiverem um grande público on-line de acordo com novas propostas.

O Conselho de Sentenças da Inglaterra e do País de Gales elaborou mudanças em delitos de ordem pública, incluindo qualquer pessoa que se desconfie ter como alvo online “características protegidas”, incluindo “raça; sexo; incapacidade; orientação sexual; religião ou crença; gravidez e maternidade; e redesignação de gênero.”

As punições mais severas serão entregues àqueles “em posição de confiança, autoridade ou influência e que abusam de sua posição para incitar ódio”, como líderes políticos ou figuras de mídia e qualquer pessoa cujas ofensas sejam “persistentes”.

Se um “agressor for um membro, ou estiver associado a um grupo que promova hostilidade baseada em raça ou religião”, a sentença também será mais severa.

O Conselho de Sentenças acredita que o uso das mídias sociais, do YouTube e de outros “sites” para provocar o ódio é um problema crescente - apesar do número de processos permanecer relativamente baixo.

"Os volumes desses delitos são extremamente baixos e não houve condenados por algumas ofensas", disse o Conselho de Sentenças.

“No entanto, dado o clima social recente e um foco ampliado neste tipo de delito, o conselho considera que seria útil que os sentenciados fossem equipados com orientações sobre a sentença dessas ofensas”, continuam eles.

Acrescentando: “Entre os casos analisados, houve várias ofensas do tipo “discurso do ódio”, em que discursos inflamatórios foram dados por figuras influentes com a intenção de incitar o ódio.

“Outros casos envolveram a publicação no YouTube de conteúdo que incita violência séria em relação a determinados grupos religiosos, sites publicados incluindo conteúdo ofensivo e insultuoso e pretendendo alcançar audiências globais.”

As propostas estarão agora sujeitas a uma consulta pública de três meses, que termina em agosto.

Outras diretrizes relacionadas a “crime de ódio” divulgadas em janeiro do ano passado reafirmaram que nenhuma evidência é necessária para denunciar um “crime de ódio”, bastando que a suposta vítima se sinta ofendida.


Primeira-Ministra do Reino Unido, Theresa May


quarta-feira, 9 de maio de 2018

Trump abandona acordo nuclear com Irã



O acordo nuclear iraniano também conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (PACG). Na época em que foi assinado (2015), o acordo foi extremamente criticado não somente pelo público americano, mas também pelos demais países árabes no Oriente Médio, preocupados com a possibilidade de um Irã nuclear. Obama nunca enviou o  acordo para aprovação pelo Congresso dos EUA, sabendo que o mesmo o rejeitaria. Segundo alguns constitucionalistas dos EUA, o fato deste acordo nunca ter sido aprovado pelo Congresso, como manda a Constituição, o torna sem valor (de fato, nem mesmo o Irã assinou o acordo). De modo que Trump está desfazendo unilateralmente o que Obama fez também unilateralmente. O acordo injetou bilhões de dólares nos cofres do governo iraniano (liberação de 115 bilhões de dólares em ativos imobilizados e 1,7 bilhões de dólares de "dinheiro lavado" - incluindo 400 milhões de dólares em espécie transportados secretamente por avião). O Irã é o principal Estado patrocinador do terrorismo no mundo. Esta injeção de recursos garantiu, na prática, que os xiitas de Teerã tenham recursos para enriquecerem urânio a níveis suficientemente altos para a construção de ogivas e bombas nucleares (bem como apliar sua ação terrorista no Oriente Médio e América do Sul). O acordo tão pouco estancou o desenvolvimento de foguetes interbalísticos. Hoje, os foguetes iranianos têm capacidade de atingir não apenas Jerusalém, mas também Moscou.

O anúncio, ocorrido ontem na Casa Branca, pode ser visto no vídeo abaixo, com legendas em português. 


O que torna esta decisão acertada foi a recente liberação de dezenas de milhares de documentos e vídeos por parte do serviço secreto israelense, de que


O canal militar comenta sobre os documentos secretos iranianos roubados pelos israelenses.


Os países europeus envolvidos neste acordo nuclear, Reino Unido, França e Alemanha, criticaram a decisão dos EUA e prometeram manter o acordo, ou seja, vão continuar fazendo vistas grossas ao desenvolvimento nuclear para fins militares do Irã. O vídeo abaixo resume bem o motivo que leva a União Européia a apoiar este acordo. Lembre-se que a União Européia é governada por burocratas que nunca foram eleitos e não tem o menor compromisso de justificarem suas decisões com o povo europeu.



terça-feira, 8 de maio de 2018

Relembrando o conceito da ESCRAVIDÃO SEXUAL no Islão


O Alcorão 4: 3 refere-se às "mulheres que sua mão direita possui"; O Alcorão 4:24 proíbe um muçulmano de fazer sexo com uma mulher já casada, exceto aqueles que sua "mão direita possui"; O Alcorão 33:50 diz claramente quem são as "mulheres que sua mão direita possui": elas são aquelas conquistadas como espólios de guerra.

4: 3 http://corpus.quran.com/translation.jsp?chapter=4&verse=3:
E se temeis que não tratem de maneira justa os órfãos, casem com as mulheres, que parecem boas para você, duas ou três ou quatro; e se temeis que não possais fazer justiça (a tantas) então uma (somente) ou (as escravas) que sua mão direita possui. …

4:24 http://corpus.quran.com/translation.jsp?chapter=4&verse=24:
E todas as mulheres casadas (são proibidas a você) exceto aqueles (escravas) que sua mão direita possui. …

33:50 http://corpus.quran.com/translation.jsp?chapter=33&verse=50:
Ó Profeta! Lo! Nós te tornamos legítimas as mulheres a quem pagaste os seus dotes, e as que a tua mão direita possui daquelas que Alá te deu como espólios de guerra,…

(Significado do Alcorão acima traduzido de Pickthall. Os links fornece outras versões)

Exegesis (tafsir) por ibn Kathir… http://www.qtafsir.com/index.php?option=com_content&task=view&id=717&Itemid=59:
(Mas se você tem medo de não ser capaz de lidar com justiça (com elas), então apenas uma ou a que sua mão direita possue.) A Ayah ordena, se você tem medo de não ser capaz de fazer justiça entre suas esposas ao casar-se com mais de uma, casar-se com apenas uma esposa, ou se satisfaça apenas com mulheres escravas, pois não é obrigatório tratá-las da mesma forma, mas é recomendável. Então, se alguém faz isso, isso é bom, e se não, não há dano algum.

Leituras adicionais:
- Estupro e escravidão sexual
- EUA: professor universitário defende estupro e escravidão sob a Sharia
- Síria: Mulheres em cativeiro agrupadas e vendidas em mercado de escravos 
- Direitos das Mulheres sob o islão 

Mulheres iázides feitas escravas sexuais pelo Estado Islâmico

Xeique saudita Saleh al-Fawzan, membro do Conselho Sênior de Clérigos, disse em 2003: "Escravidão é parte do islão ... escravidão é parte da jihad, e jihad irá permanecer enquanto existir o islão ... [Aqueles que argumentam que a escravidão foi abolida são] ignorantes, não são estudiosos. Eles são apenas escritores. Quem diz esta bobagem é um infiél."



segunda-feira, 7 de maio de 2018

Especialista da Jihad: Parem de aceitar refugiados muçulmanos - a Europa está importando uma guerra civil


O especialista em jihadismo, o palestino-belga Montasser AlDe'emeh, emitiu uma séria advertência à Europa. No jornal holandês “De Telegraaf”, ele afirma que a Europa, ao admitir refugiados, está essencialmente importando uma guerra civil.

AlDe'emeh acredita que os políticos da Europa são ingênuos quando se trata de imigração em massa, islamismo e integração fracassada. Ele aconselha parar a entrada de refugiados, afirmando que a Europa Ocidental está "importando uma guerra civil", acrescentando que "primeiro temos que saber o que precisamos fazer com as pessoas que já estão aqui".

AlDe'emeh não é novato. E ele teve contato extensivo com os jihadistas belgas e holandeses, e até mesmo viajou ilegalmente ao lado desses grupos para a Síria, a fim de realizar pesquisas.

Como arabista e especialista em islamismo e jihadismo, ele também trabalhou para o serviço secreto da Bélgica e discute a combinação disso com seu papel como contato para os jihadistas em seu novo livro "Dubbel leven" (Vida dupla). Enquanto explica os problemas crescentes da Europa, o AlDe'emeh também fornece possíveis soluções.

“Nossas sociedades ocidentais estão em perigo por causa de um número crescente de pessoas alienadas”. Como alguém que freqüentemente trabalha com alunos de escolas em Bruxelas, ele observa que “essas crianças vivem aqui fisicamente, mas mentalmente elas vivem principalmente na Idade Média”.

AlDe'emeh aconselha os pais a “preparar seus filhos para viverem em nossa sociedade secular”. Segundo ele, eles agora vivem entre dois mundos e, em sua busca pela identidade, as crianças inevitavelmente entram em contato com as ideologias islâmicas radicais.

Com tais ideologias em total desacordo com grande parte do modo de vida da Europa Ocidental sendo mantido por um número crescente de muçulmanos em todo o continente, talvez a previsão de AIDe'emeh de uma guerra civil não seja tão improvável quanto se poderia pensar. O livro de AlDe'emeh está atualmente disponível apenas em holandês.

Fonte: https://voiceofeurope.com/2018/04/jihad-expert-stop-accepting-refugees-europe-is-importing-a-civil-war/

Soldados franceses próximos a Paris
(Photo Credits: Frederic Legrand - COMEO / Shutterstock.com)


domingo, 6 de maio de 2018

Atualizações em abril de 2018

Veja o que entrou de novo no blog em abril de 2018, exemplificando a aplicação da lei islâmica Sharia ao redor do mundo, seja por governos de países com maioria muçulmana, grupos islâmicos ou mesmo ações individuais.

Al Wala wal Bara: ame quem e o que Alá ama; odeie quem e o que Alá odeia
Leia mais sobre este importantíssimo conceito islâmico lendo neste link.

O impacto do Islã na identidade do Ocidente
O papel que o islã desempenhou na formação da identidade da Europa, tanto no passado quanto no presente, foi o de ameaça militar constrante? Raymond Ibrahim explica.

O dilema abraâmico do islão: o islamismo distorce as narrativas bíblicas para tomar posse daquilo que não lhe pertence
O islamismo foi construído baseado na apropriação cultural dos outros.


Direitos das Mulheres sob o Islão: Parte 3Parte 2Parte 1
A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.
Alemanha: paquistanês degola filha para punir a esposa
Segundo relatado por um tribunal alemão, o requerente de asilo paquistanês, Shohail A., de 34 anos, "praticamente decapitou sua filha de dois anos quando a matou com raiva para punir sua esposa."(dailymaill).

Alemanha: mais um crime bárbaro cometido por um refugiado muçulmano, ferindo gravemente uma adolescente. Família do refugiado pergunta o que a menina fez de errado para provocar o seu filho!
Família da menina diz "Queremos que todos vejam o que um selvagem muçulmano sírio pseudo-refugiado fez à nossa filha" (amigodeisrael).

Canadá: imã de Toronto diz que “alguns de nossos irmãos” usam taco de baseball, varas e cinto para bater em suas esposas
Esposas que desejam abandonar o islamismo e abraçar o cristianismo são alvo de agressões, para serem "educadas." (ACDemocracy).

Paquistão: menina cristã incendiada por recusar proposta de casamento de homem muçulmano
Rizwan Gujjar incendiou Asma usando gasolina depois que ela se recusou a renunciar a sua fé e se casar com ele (Pakistan Today). Ela não resistiu às queimaduras e faleceu dias depois (Christians in Pakistan)

Paquistão: Atriz revela que ela foi sexualmente assediada enquanto usava uma 
Adicionando sua contribuição ao movimento #MeToo no Paquistão, Armeena Khan no sábado compartilhou um incidente no Twitter, lembrando como ela foi assediada sexualmente no Mercado Anarkali de Lahore enquanto usava uma burca. Sua família viu isso disse que isso era uma coisa muito comum lá. (pakistantoday).

Suécia: mulher sueca se encontra com dois imigrantes muçulmanos à noite para provar que os "xenófobos estão errados." Resultado: ela foi brutalmente assediada e estuprada Uma mulher sueca de meia-idade foi estuprada e abusada por dois requerentes de asilo afegãos em suas acomodações de refúgio, relata a Fria Tider. A mulher, que era membro de um grupo do Facebook contra deportações de imigrantes, "queria provar que os xenófobos que reclamam dos crimes sexuais praticados pelos refugiados estão errados." Ela também queria provar que os afegãos não são perigosos. Um dos homens, chamado Anwar, estuprou-a vaginal e analmente, enquanto o outro se masturbava ao lado dela. Foi uma experiência muito dolorosa, ela disse. Um Tribunal Distrital multou os dois por estupro e abuso sexual. O promotor não pediu a explusão de nenhumm dois dois da Suécia. (voiceofeurope).


EUA: Partido Democrata derruba lei que criminalizava a Mutilação da Genitália Feminina (FGM)

A lei daria ao Estado do Maine amparo legal para combater a FGM. Mas ativistas de esquerda, bem como organizações como o Southern Poverty Law Center, se aliaram os deputados "progressistas" do Partido Democrata e derrubaram a lei. Todos estes grupos acusaram os promotores da lei de racistas e islamófobos. Todos os republicanos votaram a favor da criminalização da FGM, mas não tinham maioria (clarionproject).



Grã-Bretanha: escola católica envia alunos para aprenderem sobre o islão na mesquita
Os alunos da Escola de Nossa Senhora e de São Patrício de Maryport aprendem a viver como muçulmanos. Eles participam de uma oficina islâmica liderada por Imran Kotwal, fundador dos serviços de Aprendizado Muçulmano. A vide-diretora da escola, Hilary Long, disse que é importante que a escola seja mais diversificada e tolerante com outras religiões. Ela disse que, como parte do currículo da escola, eles estão aprendendo sobre pessoas de outras religiões, o que resultou na visita de um membro da comunidade islâmica. (timesandstar

Enquanto isso, nas mesquitas turcas da Alemanha ...

Nas mesquitas da Alemanha, os rapazes estão preparados para morrer 
como mártires do Estado turco. E as moças são ensinadas a chorar.






Mauritânia: Proprietários de escravos podem ser condenados a 20 anos de prisão
Nem todos os escravos foram libertados. Na Mauritânia, a escravidão é uma prática repreensível que ainda existe. Um tribunal privado em Nouadhibou, a segunda maior cidade da Mauritânia, condenou recentemente três proprietários de escravos com penas entre 10 e 20 anos de prisão. Apesar da atual natureza repressora contra a escravidão na Mauritânia, grupos de direitos humanos afirmam que o país prendeu mais ativistas antiescravistas do que os proprietários de escravos. (Al Arabiya)

O profeta (a paz esteja com ele) disse: "Se encontrardes alguém fazendo como o povo de Lot fez, matai aquele que faz e aquele a quem a coisa é feita." (Hadice Abu Dawood 38:4447) -- PS. O "povo de Lot" são os homens que aparecem na Bíblia querendo fazer sexo com os homens que se hospedaram na casa de Lot (Gênese 19:4-5)
Indonésia: quarto detidos sob acusação de homossexualismo, podem encarar 100 chicotadas
Presos pela polícia do governo da província de Achem (Aceh) (Reuters).

França: lésbicas forçadas a esconder sua identidade em áreas controlados por muçulmanos
Salima Amari, socióloga francesa, afirma isso em livro, no qual ela entrevista 52 mulheres homossexuais, a maioria de descendência do norte da África (breitbart).

Halal - Boicote Halal 

Leia este artigo "Boicote Produtos Halal" para saber o que é "comida halal" e o porquê de boicotá-la. E visite os demais links.



História (Arte e Jahiliyya)

Turquia exige que museus europeus "devolvam" artefatos históricos dos povos que viviam no território atualmente ocupado pela Turquia (povos estes que foram exterminados pelos próprios turcos)
A hipocrisia da Turquia é simplesmente assustadora (aljazeera).



Presidente do PT, Gleisi Hofmann, pede que muçulmanos intervenham no Brasil para libertar o presidiário Lula
Leia artigo no blog.

Muçulmanos prometem criar uma "FAIXA DE GAZA" em DEFESA DE LULA (?)
O enfoque do nosso blogue é criar consciência sobre o islamismo, uma ideologia política expansionista que exige de seus votários um fervor religioso. Eu tenho sido cuidadoso com comentários de âmbito político pois eu entendo que ser contra o islamismo é dever de todas as vertentes políticas. O islamismo não é Esquerda. O islamismo não é Centro. O islamismo não é Direita. O islamismo é algo aparte e único. O islã existe para dominar, e não ser dominado. Eu entendo que (infelizmente) existe uma parte substancial da Esquerda Ocidental (na Europa, no Canadá, nos EUA, na Austrália, e, lamentavelmente, também no Brasil) que foi cooptada pelo "discurso revolucionário" e anti-semita dos promotores da Sharia e se aliaram a eles. Triste.
Mas o fato é que algumas horas atrás, a Jovem Pan (JP), reportando do sindicato dos metalúrgicos em São Paulo, onde o Lula se refugiou para evitar a sua prisão, comentou sobre o apoio de "grupos islâmicos" no Brasil ao Lula (eles podem apoiar quem eles quiserem, isso é direito deles). Mas a JP mencionou um grupo chamado "Coletivo Muçulmano" que conclama por uma resistência semelhante aos dos palestinos na Faixa de Gaza.
O que isso significa? Agir como o Hamas? Bem, vocês tirem suas conclusões.
Pode ser apenas a retórica dos frustrados, afinal, existem diversos discursos sendo feitos extremamente ameaçadores, por parte de vários ativistas pró-Lula.
Abaixo, vídeo oriundo da Faixa de Gaza, com a suástica ao vento entre bandeiras palestinas.


Emirados Árabes interessados em investir em Camburiú
Eles pretendem adquirir o setor hoteleiro deste balneário de Santa Catarina (diarinho).

Membro do Hezbollah participou de evento na sede do governo de São Paulo
Bilal Wehbe, do grupo terrorista libanês, esteve em solenidade com o governador Márcio França.
O xeique xiita Bilal Mohsen Wehbe é o principal nome do grupo terrorista Hezbollah na América do Sul. Libanês naturalizado brasileiro, Wehbe assumiu esse papel depois que seu meio-xará Mohsen Rabbani foi obrigado a fugir da Argentina acusado de ter sido o arquiteto do atentado conta a sede da Associação Mutual Argentina, em 1994, na cidade de Buenos Aires.


O nome de Wehbe está na lista de pessoas sancionadas pelo governo dos Estados Unidos por financiamento e suporte ao terrorismo desde 2010. O libanês foi identificado pelo Departamento dos Tesouro americano como sendo um dos principais nomes do Hezbollah em atividade na região da Tríplice Fronteira (formada pelo Brasil, Argentina e Paraguai). Depois de ter enfrentado problemas legais no Paraguai, Wehbe se mudou para São Paulo, onde comanda uma mesquita localizada no bairro do Brás e vive sem ser incomodado. (VEJA)


Peça esgotada retrata Jesus estuprando uma mulher muçulmana (mas, na verdade, Maomé estuprou uma cristã)
Leia sobre isso no blog.

Esgotamento Civilizacional da Europa
  • O Islã está preenchendo o vácuo cultural de uma sociedade sem filhos e que acredita - erroneamente - que não tem inimigos.
  • Na Suécia, em 2050, quase uma em cada três pessoas será muçulmana.
  • A corrente dominante européia agora parece acreditar que o "mal" vem apenas de nossos próprios pecados: racismo, sexismo, elitismo, xenofobia, homofobia, a culpa do heterossexual homem branco ocidental - e nunca de culturas não-européias. A Europa agora postula uma idealização infinita do "outro", acima de tudo o migrante.
  • Um cansaço parece ser o motivo pelo qual esses países não tomam medidas significativas para derrotar o jihadismo, como o fechamento de mesquitas salafistas ou a expulsão de imãs radicais.
  • Extremistas muçulmanos entendem essa vantagem: desde que evitem outro massacre como o 11 de setembro, eles poderão continuar tirando vidas humanas e minando o Ocidente sem despertá-lo de sua inércia. (Gatestone)
Globalistas promovem o fim da Europa
  • Macron, presidente da França: "[Os africanos] estão se voltando para a Europa porque o continente [da Europa] não é uma ilha, por causa de nossa localização, e porque a Europa tem seu destino ligado à África." (Breitbart)
  • Junker, presidente da União Européia: "Europa estará perdida sem os milhões de imigrantes africanos." (Breitbart)
  • Segundo o jornal Le Figaro, a Euráfrica acarretará no fim estado do bem-estar social europeu, com o fim dos programas sociais generosos. 
Alemanha: "Refugiado" incendeia prédio e tranca saídas para matar os infiéis
O muçulmano aspirante a refugiado ateou fogo ao bloco de apartamentos nas primeiras horas da Sexta-Feira Santa. Como resultado, uma pessoa morreu, 17 ficaram feridas e vários animais domésticos morreram no incêndio. As pessoas ficaram presas no telhado do prédio e tiveram que saltar para um colchão inflável do Corpo de Bombeiros (Voice of Europe, Amigo de Israel).

Canadá: igrejas pixadas na Páscoa com palavões e governo e imprensa fica em silêncio (mas quando muçulmanos inventam crimes, a grita é geral) 
Três igrejas foram pixadas na Páscoa com palavrões: "Foda-se Jesus". Imagine se "Foda-se Maomé" tivesse sido pixado na porta de uma mesquita?
O atual governo liderado por Justin Trudeau estaria liderando a acusação, teriam posto em ação gritaria e condenação generalizada! E imagine se isso tivesse acontecido em um importante dia comemorativo no Islã? Mas, novamente, porque aconteceu com os cristãos no dia mais importante do cristianismo ... Trudeau ficou em silêncio, o sindicato da "fala do ódio" ficou silencioso e, na maior parte, os principais meios de comunicação quase não deram nem uma menção passageira (thepostmillennial). Após 4 dias, Trudeau não resistiu a pressão pública emitiu um twitter patético ( muito criticado) (Daily Wire).


Portugal: Justiça se curva ao islão. Líder religioso, que entrou ilegalmente, vai permanecer no país
O Imã da mesquita do Porto foi condenado a uma multa de  1560 Euros por ter usado de documentos falsos para obter residência em Portugal. Outros 12 marroquinos foram descobertos usando do mesmo subterfúgio. A justiça portuguesa apenas os multou. Eles permanecem em Portugal. (DN)

Portugal: pequena aldeia quase deserta oferece casa e terra para plantio para quatro família de "refugiados"
Os frutos do suicídio demográfico da Europa visto à luz do dia. Enquanto isso, os portuguese pobres ficam a ver navios (SIC).

Finlândia: muçulmana reclama que existem "finlandeses demais" 
Mas ela acrescenta que este é um problema fácil de resolver: basta aumentar a imigração muçulmana e tudo ficará melhor (eutimes).


França: arruaça e carros queimados após mulher ser ordenada a remover o véu islâmico de rosto inteiro
Centenas de policiais foram mobilizados depois que moradores incendiaram carros em Toulouse protestando contra a policia, por ter pedido os documentos de uma mulher usando um véu islâmico ilegal. O véu islâmico de rosto inteiro é ilegal na França.

Incêndio criminoso de carros são uma ocorrência comum em alguns dos subúrbios mais problemáticos da França e são especialmente comuns nos subúrbios ao redor da capital francesa de Paris. (Breitbart)

França: intelectuais exigem que líderes muçulmanos denunciem os versos anti-cristãos e anti-judeus do Alcorão 
Um grupo de 300 políticos e artistas franceses exigiu que líderes muçulmanos proeminentes denunciassem o antissemitismo islâmico e declarassem que os versos anticristãos e antijudaicos do Alcorão estavam desatualizados. O ex-presidente Nicolas Sarkozy, o ator Gerard Depardieu e o cantor Charles Aznavour estão no grupo, que divulgou um manifesto no jornal Le Parisien no domingo. (Daily Caller)

Liberdade de Expressão e Blasfêmia - Exemplos

Facebook baniu historiador alemão por dizer "o islamismo não faz parte da história alemã"
Leia o artigo todo no blog.

O Islã determina: mate até mesmo aquele que achar que Maomé foi um ser humano comum, com erros e defeitos
Leia o artigo todo no blog.



EUA buscam retirar cidadania de dois muçulmanos da Bósnia acusados de cometerem atrocidades nos Balcãs
O Departamento de Justiça dos EUA apresentou na quarta-feira documentos de desnaturalização contra dois muçulmanos bósnios condenados por realizarem um massacre em estilo de execução de aldeões croatas durante as guerras dos Bálcãs. Edin Dzeko, 46 anos, e Sammy Rasema Yetisen, 45, ambos alegadamente ex-membros de uma unidade militar bósnia de elite responsável pela execução do ataque de 1993 que matou 22 civis, são acusados de esconder seus crimes em seus pedidos de refugiados, residentes permanentes e cidadania americana (voanews). 


Alemanha: polícia prende jihadistas que planejavam atacar com facas corredores da Meia-Maratona de Berlin
O jornal Die Welt documenta que dois jihadistas, de 18 e 37 anos, após batida policial nos bairros de Charlottenburg-Wilmersdorf e Neukoelln na capital alemã. Aparentemente, existe ligação com o tunisiano que atropelou dezenas em um mercado de Natal, também em Berlin. (express)




França: líder da Irmandade admite que seu objetivo é o de assumir o controle
Amar Lasfar, presidente a associação Muçulmanos da França, admitiu (em um vídeo de 1994) que o objetivo da dawa (pregação islâmica) é o de submeter o Ocidente ao islão. “Conseguiremos transmitir a mensagem de Alá por meio de um golpe de estado. Por um plano político de trabalho que consiste em infiltrar conselhos municipais e parlamentos, a fim de tomar o poder. Depois disso, a mensagem de Allah prevalecerá." (Clarion)

Bélgica: partido islâmico admite objetivo de implantar governo 100% islâmico; partidos islâmicos na Europa crescem com a imigração muçulmana
Leia o artigo todo no blog.

Muçulmano esclarece: "religião da paz" apenas para quem aceita o islão
O jornalista americano Jamie Glazov denunciou no Facebook ameaças recebidas por um muçulmano. O jornalista foi suspenso por 10 dias! Nas ameaças veio a afirmação de que o islão é religião da paz "para quem obedece Alá e o seu profeta. Para aqueles que os opõem não existe paz."





Perseguição Cristãos: Parte 1Parte 2
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)

Paquistão: família cristã assassinada; "todo o louvor para Alá"
O Estado Islâmico tomou crédito e sente orgulho por executar na rua uma família que retornava para casa após compras em um bazar, no Balochistão.  (CNN)

Paquistão: cristãos afirmam que estão sendo forçados a sair de Quetta por violência do Estado Islâmico
Cristãos dizem que estão sendo expulsos de uma das principais cidades do Paquistão depois de uma série de ataques terroristas alegados pelo Estado Islâmico no Iraque e no Levante (ISIL). O grupo militante jihadista disse que realizou dois ataques com armas que mataram seis cristãos em Quetta neste mês, e também bombardeou uma igreja na cidade pouco antes do Natal. Os recentes ataques na cidade do sudoeste vêm além da crescente perseguição de minorias religiosas no Paquistão, onde cristãos e outros enfrentaram a violência da multidão e acusações de blasfêmia. (pakistantoday).

Coliseu de Roma iluminado em vermelho para chamar a atenção da perseguição que cristãos sofrem ao redor do mundo bem como sobre Asia Bibi
Isso foi algo que ocorreu em 24 de fevereiro. O motivo foi principal foi a perseguição que os cristãos sofrem nas mãos dos muçulmanos. O motivo secundário foi o de chamar a atenção à situação de Asia Bibi, presa no Paquistão desde 2009 acusada de blasfêmia contra Maomé ... ela disse que Jesus está vivo, mas Maome está morto. Leia mais sobre Asia Bibi.

Nigéria: 15 mortos, dentre eles dois padres, durante ataque a uma missa católica
Pastores de gado da etnia Fulani (muçulmanos) continuam na sua jihad contra os cristãos. Padre Moises Iorapuu disse que os jihadistas fulani atacaram no seu "estilo clássico" queimando casas, destruindo colheitas e matando pessoas. (Crux)

Alemanha: pedido de asilo de cristãos que fogem perseguição no Iraque é processado por "muçulmana com véu na cabeça"
Cristãos do Iraque fogem da perseguição islâmica. Mas, circunscrição em North Rhine-Westphalia, quem decide se o motivo do seu pedido de asilo é autêntico ou não é uma islâmica com o véu islâmico na cabeça. Os cristãos reclamam que seus pedidos de asilo têm sido rejeitados. (Welt)


"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
Quem é "Refugiado"? Judeu do Marrocos ou palestino de Israel
Importante artigo do Gatestone Institute discute a contribuição do judaísmo no norte da África, e a expulsão dos judeus durante o período da criação do Estado de Israel (Gatestone).

Faixa de Gaza: suástica tremula junto a bandeiras palestinas.


Faixa de Gaza: a 'Sexta-Feira dos Pneus' 
Mais uma atividade da "Grande Marcha do Retorno, na fronteira entre Israel e Gaza. Um total de 10 mil pneus foram queimados após o término da oração da sexta-feira. Os fiéis e ativistas, sob a organização do Hamas, foram incitados pelos clérigos. Tamanha quantidade de pneus sendo queimados provoca aglomeração de toxinas químicas em um nível que causa danos a uma grande área vizinha, prejudicando agricultura e poluindo água ... dos dois lados da fronteira. E, onde os pneus queimam, em Gaza, o terreno se torna em impróprio para uso. (ynetnews)


Um depoimento importante de um israelense próximo a Faixa de Gaza

Comparando a fronteira de Gaza entre Egito e Israel
Em 2017, o Egito abriu sua fronteira de Rafah com a Faixa de Gaza (foto abaixo) por menos de 30 dias no total. Em contraste, a fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza foi aberta por mais de 280 dias no mesmo ano. (Foto por Chris McGrath / Getty Images)



Alemanha: muçulmano ataca menino judeu com o cinto em Berlin
O Alcorão 8:60 manda os crentes atacarem os descrentes com todas as armas de guerra disponíveis. Vídeo: https://youtu.be/wLrdzRpxRzU (Daily Mail).


Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, mate os idólatras onde quer que você os encontre, e capturai-os, e cerque-os, e arme ciladas para eles usando de todos os estratagemas (da guerra); mas caso eles se arrependam, observem a oração e paguem o zakat [ou seja, se tornem muçulmanos], abra o caminho para eles. Sabei que Alá é Indulgente, Misericordiosíssimo. (Alcorão 9:5)
Mesquita Ahmadiyya atacada em Bangladesh
22 pessoas foram feridas em um ataque de uma multidão contra uma mesquita Ahmadiyya em Bangladesh. De acordo com um relatório do Daily Star, um grupo de 70 a 80 pessoas de outra mesquita (muçulmana) atacou a mesquita Ahmadiyya após as orações de sexta-feira. Ambas as mesquitas estão localizadas no distrito Madarganj Upazila de Jamalpur, uma localidade no norte de Bangladesh. (Rabwah)

Paquistão: clérigos islâmicos acusam um ahmadiyya de se passar por muçulmano para fazer exame de admissão a universidade
O aluno qieu queria entrar na universidade é de Gojrah, e se chama Bilal Ahmed. Os ahmadis foram declarados "não-muçulmanos" através de uma emenda constitucional e, desde então, enfrentaram severa perseguição, tanto nas mãos do governo ou dos muçulmanos em particular. (Rabwah)

                                                                                                                      


"Historiadores" dizem que a Rainha Elizabeth é descendente de Maomé
Mais um exemplo do poder corrompedor dos petrodólares.

"A alegação ressurgiu recentemente depois que um jornal marroquino disse que localizou a linhagem da rainha de volta ao Profeta. Eles alegaram que a rainha descende de uma princesa muçulmana chamada Zaida, que fugiu de Sevilha no século 11 antes de se converter ao cristianismo. Zaida foi a quarta esposa do rei Al-Mu'tamid ibn Abbad de Sevilha. Ela lhe deu um filho Sancho, cujo descendente se casou com o conde de Cambridge no século XI. "

O jornal declara que "a descendência direta da família real do profeta Maomé não pode ser invocada para proteger a família real para sempre dos terroristas muçulmanos."

Enquanto isso, uma manchete irônica no fórum da Rede Árabe Ateistas dizia: "A rainha Elizabeth deve reivindicar seu direito de governar os muçulmanos".

Uma pessoa no fórum da Internet, Reddit, criticou as alegações, escrevendo: "Esta é apenas uma propaganda usada pela monarquia britânica para apaziguar o crescente número de súditos muçulmanos". (Daily Mail)





.➽